Análise Press Start – PES 2019



Se tem entretenimento melhor do que futebol e videogame, eu, particularmente, desconheço. E, ciente das dificuldades de trazer um bom game do esporte mais popular do mundo a cada ano, o Press Start traz a análise do Pro Evolution Soccer 2019, lançado no último dia 28 para PlayStation 4, Xbox One e PC.

O popular PES já passou por diversas fases. Direto do Oriente, já reinou no cenário nas gerações passadas, mas já há algum tempo luta para estar à altura do concorrente Fifa e lucrar como tal. É difícil desvincular um do outro quando se vai tecer sobre qualidades e defeitos do que temos em mãos. O fato é que PES 2019, mesmo com diversos problemas de licenciamento, alcança a façanha de evoluir e divertir, sem perder a sua essência.

Milton Leite (narração) e Mauro Beting (comentários) seguem contando um jogo que, desta vez, parece estar mais cadenciado em seu meio-campo, enquanto, ao menos sob a minha ótica, flui melhor em jogadas pelos flancos e premia quem domina a arte do toque rápido, imprimindo mais dinâmica. Um ponto a ser destacado positivamente é a melhoria significativa quanto aos goleiros, que deixam o gamer muito mais seguro durante as pelejas.

No quesito gráfico, já é sabido que a Konami cuida dos jogadores licenciados como poucos no mercado. Além disso, a partida se desenvolve incontestável a 60 quadros por segundo. Cabe destacar também que, pela primeira vez na franquia, PES chega com gráficos em 4K no PlayStation 4 Pro e Xbox One X e, por isso, teve de abandonar o suporte aos PS3 e Xbox 360.

As físicas de contato entre os jogadores estão mais realistas, inclusive em relação aos efeitos do gramado, assim como a inteligência artificial das peças, que compõem espaços na marcação fidedignas à realidade. E mais: o ângulo das câmeras nas batidas de faltas remete à visão do próprio cobrador virtual. Outra bola dentro!

BOLAS FORAS

Contudo, o jogo está longe de ser perfeito. Embora venha numa ascendente admirável, PES sofreu com um baque antes mesmo de “a bola rolar”. Perdeu a licença da Liga dos Campeões para o rival da EA Sports neste ano, o que era considerado um trunfo para a produtora japonesa. Novamente sem a Libertadores (desde a última edição), PES 2019 aposta muito nos clubes brasileiros e em reproduções hiper-realistas de estádios nacionais – São Januário, Arena Corinthians, Morumbi, Vila Belmiro, Allianz Parque, Beira-Rio, Maracanã e Mineirão são os presentes.

O lamentável é que, enquanto Corinthians, Flamengo, Palmeiras, São Paulo e Vasco são exclusivos e licenciados, com aparências de estrelas de tirar o chapéu, outros times por aqui possuem nomes genéricos em sua maioria. Até a Seleção Brasileira foi atingida pela dificuldade em negociar direitos de imagem por aqui. A equipe de Tite possui os uniformes reais, porém os nomes dos atletas são todos inexistentes.

E não é uma limitação que se restringe ao Brasil. O Real Madrid, por exemplo, atende por MD White, e Manchester United e Manchester City são Manchester Red e Manchester Blue, respectivamente. Sabemos que dá para utilizar um Option File para resolver este problema, mas a análise é cima do produto “original”, diga-se.

Em tempo, é bom sublinhar que os tradicionais modos “MyClub”, “Master League” e “Rumo ao Estrelato” seguem divertidos e ainda mais cativantes com os aperfeiçoamentos – sobretudo o primeiro, cujo esquema de contratações está menos burocrático e com cartas para os jogadores, algo símile ao Ultimate Team de Fifa. Ou seja, temos online e offline de qualidade e com garantia de boas horas “perdidas”.

CONCLUSÃO

Como citado, PES vem de uma ascensão notável e, com a estratégia de lançamento um mês antes de seu concorrente, mostra que há pontos positivos de sobra a serem enaltecidos, que só ficam ocultos aos tóxicos fanboys de franquias. Divertido, desafiador e com jogabilidade cada vez mais realista, PES 2019 agrega e aquece a concorrência. Quem ganha mais? Nós, gamers, que veremos um sarrafo ainda maior em prol de evolução para os anos posteriores.

PONTOS POSITIVOS

– Ótimos gráficos (inclusive com suporte em 4K)
– Modos online e offline divertidos
– Estádios brasileiros hiper-realistas
– Goleiros mais confiáveis

PONTOS NEGATIVOS

– Limitações quanto a licenças (campeonatos, clubes e jogadores)

NOTA: 9,0/10

Gostaríamos de agradecer à Konami, que nos cedeu uma cópia de PES 2019 para PS4, plataforma usada nesta análise.



MaisRecentes

Qualificatório aberto para Rainbow Six OGA PIT, na Croácia, acontece neste fim de semana



Continue Lendo

NiP e FaZe tropeçam e briga pelas duas vagas no mundial esquenta na Rainbow Six Pro League



Continue Lendo

Perto do retorno da Pro League, coaches analisam a importância dos atletas ‘polivalentes’ no Rainbow Six Siege



Continue Lendo