Análise Press Start – Perception



A Análise Press Start de hoje vai ser centrada em um dos medos mais comuns e aterrorizantes dos seres humanos: a escuridão. Confira o que achamos de Perception.

Quem não tem medo do escuro?

Perception te coloca na pele de Cassie Thornton, uma mulher cega que navega pelo mundo usando a ecolocação, que nada mais é do que um modo de orientação, próprio a certos animais, como morcegos e cetáceos, que possibilita identificar a posição e a forma dos obstáculos por meio da emissão de sons de alta frequência produtores de ecos.

No jogo, essa ecolocação nos dá flashes momentâneos do que está ao nosso redor. E são nesses poucos segundos que devemos identificar obstáculos e caminhos, além, é claro, de ameaças antes de sermos engolidos novamente pela escuridão.

O conceito de se locomover usando apenas a ecolocação é algo inédito no mundo dos games. Estamos sempre tão acostumados a ver tudo que ao sermos colocados na completa escuridão, um sentimento de novidade nos invade também. A sensação é de que a cada batida com a bengala de Cassie no chão, algo muito assustador vai pular na tela.

Mas não vá pensando que você conseguir sair batendo a bengala no chão para simplesmente mantes a ecolocação “ativada” o tempo todo. Perception é um game de terror, e é claro que os produtores não iriam apenas colocar o medo do escuro na rotação. A maior parte do jogo se passa em uma casa abandonada. Só que ela foi deixada pelos vivos, e, agora, fantasmas e espíritos por lá habitam, e tanto servem para pequenas informações sobre o que aconteceu, como são nosso maior inimigo, na forma da Presença, uma figura maligna que te persegue e é atraída por cada som que você faz.

O que torna as coisas ainda mais complicadas é o fato de que a casa está sempre se “reconfigurando”, mudando móveis e caixas de lugar, fazendo com que nunca estejamos realmente familiarizados com algum cômodo. O que ameniza essa situação é o “sexto sentido” de Cassie, que te aponta o próximo objetivo.

Temos que ressaltar o excelente trabalho realizado pela Deep End Games na hora de recriar a rotina de uma pessoa cega no mundo moderno. Cassie se comunica pelo celular mandando mensagens de texto através de sua voz, e ainda possui um aplicativo que escaneia os objetos e os descreve para a protagonista.

Falando do que não gostamos em Perception, temos que destacar a questão da interpretação dos personagens. As vozes soam muito amadoras e não conseguem transmitir uma verdadeira sensação de medo, preocupação ou ameaça. Nem mesmo a Presença se faz assustadora ao gritar com Cassie em certos momentos do jogo.

Outro ponto que pode ser considerado um problema para alguns é a falta de ação no jogo. Isso pode ser explicado pelo fato de controlarmos uma personagem cega, mas a ausência de desafios mais concretos, além de apenas navegar pela casa, torna a experiência um tanto monótona em alguns momentos.

CONCLUSÃO:

Perception tinha um potencial enorme para se juntar a jogos como Resident Evil 7 e Outlast como um dos mais assustadores do mercado. Mas, dublagens fracas e a falta de desafios maiores fez o game deixar a desejar.

PONTOS POSITIVOS:

  • Estilo único
  • Boa adaptação da rotina de uma pessoa cega

PONTOS NEGATIVOS:

  • Dublagem tira a ambientação
  • Falta de desafios

NOTA: 6/10

Gostaríamos de agradecer à Deep End Games, que nos cedeu uma cópia de Perception para PS4, plataforma usada nesta análise.



MaisRecentes

Campeonato Brasileiro de League of Legends ganha novo formato em 2018



Continue Lendo

Análise Press Start – Star Wars Battlefront II



Continue Lendo

Brasileiro vence campeonato internacional 1×1 de League of Legends



Continue Lendo