Análise Press Start – Momodora: Reverie Under the Moonlight



A Análise Press Start de hoje é sobre um game que fez o maior sucesso na Steam, no PC, e agora desembarca cheio de expectativas no PS4 e no Xbox One. Confira o que achamos de Momodora: Reverie Under rhe Moonlight.

Um balde de nostalgia

Em uma época onde cada vez mais se busca a perfeição gráfica nos jogos, pode parecer estranho quando um game estilo 8-bit surge no mercado. Momodora: Reverie Under the Moonlight é a melhor resposta para esse dilema.

O jogo é no clássico estilo metroidvania no qual o personagem anda para frente e para trás, além de pular e descer de nível. Mas o que o mais chama atenção em Momodora: Reverie Under the Moonlight é a sensação perfeita de nostalgia que o game consegue passar pra gente.

Cada ataque passa uma sensação absolutamente suave, e cada salto ou dash realmente te deixa com um sorriso no rosto de lembrar das incontáveis horas que os antigos jogos 8-bit te fizeram companhia quando mais jovem.

Para fechar esse pacote de nostalgia, Momodora: Reverie Under the Moonlight apresenta uma história criativa, cercada de uma trama bem dark, e que te totalmente satisfeito com o resultado final, que é bem no estilo Castlevania.

=

Uma história pra lá de interessante!

Momodora: Reverie Under the Moonlight conta a história de uma sacerdotisa chamada Kaho da distante vila chamada Lum. Um vírus demoníaco se espalhou pelo local, transformando tudo em um cenário sombrio.

Para tentar salvar seu lar, a sacerdotisa viaja tem que viajar até a cidade de Karst, e buscar ajuda da rainha. Só que, como você já deve ter imaginado, o caminho até lá não será nada fácil.

Armada com sua espada de folha de carvalho e um arco, Kaho enfrenta diversos distritos, cada um com um visual e inimigos únicos de cada área. Além disso, ainda há vários segredos e conteúdos extras a serem descobertos pelo caminho.

Cada uma dessas áreas é infestada de inimigos, e pode conter até mais de um chefão. No melhor estilo Dark Souls, os bosses apresentam desafios únicos e absolutamente de arrancar os cabelos.

E todos esses duelos são enaltecidos por um sistema de combate incrível. Kaho se move pelo mapa com precisão, e é muito fácil de ser controlada. Além da sua espada e seu arco, ela ainda possui uma excelente habilidade de se transformar em um gato, que ataca do mesmo jeito, mas pode correr mais rápido e pular mais alto. O que, claro, acaba liberando áreas que só podem ser acessadas na forma felina.

CONCLUSÃO:

Momodora: Reverie Under the Moonlight consegue com maestria resgatar sensações que tivemos quando eramos mais novos, e nos divertíamos horrores com jogos como Castlevania. A música é brilhante, e casa perfeitamente com cada área do jogo, os gráficos são excelentes para um 8-bit, e a jogabilidade é contagiante. Pena que sua duração é um pouco curta.

PONTOS POSITIVOS:

  • Áreas únicas com chefões desafiadores
  • Nostalgia total
  • Jogabilidade excelente

PONTO NEGATIVO:

  • Muito curto

NOTA: 8,5/10

 



MaisRecentes

e-Sports: Flamengo fecha com importante parceiro



Continue Lendo

GOTY: Zelda é eleito o melhor jogo de 2017. Confira todos os vencedores



Continue Lendo

Análise Press Start – LEGO Marvel Super Heroes 2



Continue Lendo