Análise Press Start – F1 2016



Vamos acelerar fundo na Análise Press Start de hoje. Vista seu macacão, coloque seu capacete e aperte o cinto para conferir o que achamos de F1 2016.

Velocidade máxima!

F1 2016 é um game que consegue captar de maneira sublime a sensação de velocidade ao guiar um carro. Nesse caso, somos levados a mais de 300 por hora pelos mais belos circuitos da modalidade.

Essa sensação é um dos fatores mais fortes do game. Ao contrário da maioria dos jogos de corrida, que vão acostumando aos poucos o jogador com o ritmo do gameplay, F1 2016 já te coloca no controle de um dos veículos mais rápidos da Terra.

Se por um lado isso é empolgante, tanta potência pode se tornar algo complicado de controlar no início, e desanimar os jogadores menos persistentes. É simplesmente impossível não estar totalmente concentrado para ter êxito nas pistas.

Um modo carreira sensacional

Criticado por sua falta de conteúdo na versão 2015, o modo carreira de F1 2016 só merece elogios. São 10 temporadas nas quais você controla um personagem totalmente customizável.

Com seu piloto criado, cabe a você decidir por qual das 11 equipes vai competir. Divididas em três categorias, cada uma das escuderias possui objetivos e bônus, fazendo com que você pense duas vezes antes de escolher.

Exatamente como na vida real, sua vida na Fórmula 1 não será apenas disputando as corridas. Será necessário participar dos treinos classificatórios e até mesmo fazer alterações em diversos aspectos de seu carro, como escolher os pneus, por exemplo.

F1 2016 não é para o gamer casual

F1 2016 é um game de corrida mais ‘profissional’, se é que podemos dizer assim. Não basta apenas apertar o acelerador e guiar os carros de maneira desenfreada em busca da vitória.

A jogabilidade é intensa, e até mesmo as dificuldades inferiores são desafiadoras. Além de se preocupar em fazer o melhor tempo a cada volta, o piloto deve estar de olho nos outros carros, para não causar acidentes e receber punições.

Talvez a situação mais desafiadora de todas seja correr com pista molhada. Basicamente, todas as vezes que nos deparamos com tal condição, a vitória vinha por simplesmente ficar dentro dos limites.

Gráficos e áudio, como estão?

F1 2016 tem gráficos ótimos, mas não estão no mesmo patamar de outros games de corrida, como Project Cars e Forza, por exemplo. Principalmente em alguns momentos do modo carreira, que acabam tirando um pouco da emoção.

Se o lado visual deixa a desejar, temos que elogiar, e muito, a parte sonora. A Codemasters capturou com perfeição cada som produzido em um circuito de Fórmula 1, realmente transmitindo a sensação de estar dentro do cockpit.

CONCLUSÃO:

F1 2016 é game mais focado para os fãs da modalidade. Apesar de apresentar diversos níveis de dificuldade, o estilo de corrida não é o mais comum, com muitas regras e punições, inibindo pilotos mais casuais. Os gráficos são muito bons, e o áudio espetacular. Vale a compra!

PONTOS POSITIVOS:

  • Modo carreira mais profundo
  • Experiência total da Fórmula 1
  • Parte sonora incrível

PONTOS NEGATIVOS:

  • Gráficos poderiam ser melhores
  • Gamers casuais podem não se entreter com tantas regras

NOTA: 9/10

Gostaríamos de agradecer à Deep Silver, que nos cedeu uma cópia de F1 2016 para PS4, plataforma usada nesta análise.

 



  • Pedro Ferreira

    Parece que agora acertaram a mão.

  • André Manzano

    Devolveram o modo carreira ao game! Tirarem ele no 2015 foi brincadeira de mau gosto!

MaisRecentes

Campeonato Brasileiro de League of Legends ganha novo formato em 2018



Continue Lendo

Análise Press Start – Star Wars Battlefront II



Continue Lendo

Brasileiro vence campeonato internacional 1×1 de League of Legends



Continue Lendo