Análise Press Start – Dragon Ball XenoVerse



Está pronto para se sentir nostálgico? Então venha com o Press Start e confira nossa análise do novíssimo Dragon Ball XenoVerse.

Quem nunca sonhou em ser um personagem do universo de Dragon Ball? Voar, saber fazer um kamehameha, encarar vilões terríveis e salvar a Terra de várias ameaças. Isso tudo se torna possível com o novo game da Bandai/Namco.

A história de Dragon Ball XenoVerse gira em torno de um herói desconhecido, enviado pelo lendário Shen Long para ajudar Trunks a consertar algumas alterações que estão mudando a cronologia da história. Esse guerreiro misterioso é criado e customizado a seu gosto. Você pode escolher a raça (Terráqueo, Sayajin, Raça Freeza, Namekuseijin e Majin), cada uma com suas próprias características físicas e poderes particulares. Isso pode levar o jogador a perder muito tempo para se decidir, já que afetará as habilidades que o char irá aprender, assim como os itens que poderá usar.

Após decidir a qual raça seu personagem irá pertencer, você deve customizar a sua aparência, decidindo entre várias opções apresentadas, o tipo de rosto, olhos, cabelo, porte físico e muito mais, incluindo as cores da roupa que será vestida ao longo da aventura (isso pode ser alterado durante a história também).

Depois de passar horas até ficar satisfeito com o personagem perfeito, você é levado para a cidade de Toki Toki, uma espécie de central onde encontramos desde npc’s com missões e conselhos, até vendedores de roupas e habilidades. Como todo game de RPG, é preciso enfrentar um tutorial para que se aprenda o básico para iniciar a aventura. Após passar pela ‘aula’, Trunks aparece com sua primeira missão, na qual você deve revisitar a batalha entre Raditz e Goku/Piccolo. Com as alterações na linha do tempo, o vilão escapa do golpe fatal do namekuseijin.

A partir daí, entre missões principais e secundárias, você revive todas as sagas de Dragon Ball Z, em alguns momentos enfrentando aliados, e ajudando inimigos, para corrigir os erros da linha do tempo. A cada missão, você recebe uma quantia que pode ser usada para customizar seu personagem, além de alguns itens e habilidades.

Mantendo o que vem sendo feito nos jogos modernos de animes, o sistema de combate é simples. Nada de meia-lua para trás com os dois socos. Combinando golpes fracos e fortes, com teletransporte e magias, as lutas são sempre dinâmicas e divertidas. Se às vezes você encara um inimigo sozinho com ajuda de aliados, prepare-se para se ver cercado de vilões em algumas situações.

A parte gráfica de Dragon Ball XenoVerse é bem satisfatória. Os cenários e personagens são muito bem desenhados, e com a tecnologia dos consoles da nova geração, cada detalhe é perfeito. Já analisando a questão sonora, vale destaque para o áudio em japonês, que é fiel ao desenho da TV. E a presença da mítica música tema ‘Chala Head Chala’ enche o gamer de nostalgia.

Outro aspecto interessante do game é o multiplayer. Dentro de Toki Toki, é possível encontrar centenas de outros gamers, cada um com uma aparência única, e chamar alguns para uma party e partir para missões e desafios.

Apesar de ser um jogo muito divertido, DBX não é perfeito e apresenta poucos problemas. As mecânicas de combate são um pouco imprecisas – em alguns momentos, os golpes saiam para direções opostas ao adversário, mesmo com o alvo nele travado, e a câmera também deixa a desejar em algumas batalhas. Traduções equivocadas para o português também pode decepcionar o público brasileiro.

CONCLUSÃO:

Dragon Ball XenoVerse traz o universo de Akira Toryiama para a nova geração de consoles com louvor. Apesar de um bug ou outro, o game é gráficamente belo e realiza o sonho de toda criança dos anos 90 de entrar na batalha com Goku em companhia e reviver momentos lendários da história de DBZ.

PONTOS POSITIVOS:

– Customização do personagem principal
– Presença de muitos personagens
– Gráficos impecáveis

PONTOS NEGATIVOS:

– Sistema de combate impreciso
– Câmera pode deixar o gamer tonto

NOTA: 8.5

*Gostaríamos de agradecer à Bandai/Namco, que nos cedeu uma cópia de Dragon Ball XenoVerse para PS4, plataforma usada nesta análise.



MaisRecentes

Campeonato Brasileiro de League of Legends ganha novo formato em 2018



Continue Lendo

Análise Press Start – Star Wars Battlefront II



Continue Lendo

Brasileiro vence campeonato internacional 1×1 de League of Legends



Continue Lendo