Análise Press Start – Dishonored: Death of the Outsider



A Análise Press Start de hoje é sobre uma expansão. Mas uma que, como Uncharted: The Lost Legacy, funciona mais como um jogo separado. Confira o que achamos de Dishonored: Death of the Outsider.

Dishonored: Death of the Outsider utiliza algumas das características mais conhecidas da franquia para se sustentar sozinha, passando de uma mera DLC para um capítulo focado e independente.

Você controla a ladra e assassina Billie Lurk. Death of the Outsider se passa em Karnaca, mesmo local de Dishonored 2. Lá, nossa protagonista é afligida por pesadelos seu antigo amor, Deidre, e com um lugar chamado O Vazio. É aí que aparece um velho conhecido da franquia, O Estranho, que você deve lembrar como o homem de olhos pretos.

O que diferencia Billie dos outros protagonistas da série é o fato de ela não ter a Marca do Estranho. Com isso, ela não possui muitos dos poderes sobrenaturais que existem em jogos passados, mas, alguns artefatos a dão uma espécie de conexão direta com o Vazio, fazendo com que ela tenha acesso a um número limitado dessas habilidades.

Outra mudança em relação a outros jogos da série a ausência do sistema de moralidade. Você não precisa mais se preocupar com seu progresso em cada missão, uma vez que suas ações não impactam no final do game. Isso está diretamente ligado aos Contratos, uma série de objetivos opcionais que você pega no Mercado Negro. São missões secundárias que te levam mais a fundo na lore de Dishonored, através de furtos e assassinatos.

Falando em missões, Death of the Outsider possui apenas cinco principais. Elas são baseadas em um formato sandbox, que te permite uma exploração sem restrições da área. O mais legal é ver alguns acontecimentos de Disnohored 2 por outros ângulos.

CONCLUSÃO

Dishonored 2: Death of the Outsider é um excelente standalone, que parece ser um caminho que as produtoras seguirão daqui pra frente. Apesar de uma jogabilidade mais limitada e uma duração bastante curta, o game consegue ter sucesso em sua proposta.

PONTOS POSITIVOS

– Gráficos muito bonitos
– Um outro olhar sobre Dishonored 2
– Jogabilidade divertida

PONTOS NEGATIVOS

– Muito curto
– Poucas habilidades

NOTA: 8,5/10

Gostaríamos de agradecer à Bethesda, que nos cedeu uma cópia de Dishonored: Death of the Outsider para PS4, plataforma usada nesta análise.



MaisRecentes

e-Sports: Flamengo fecha com importante parceiro



Continue Lendo

GOTY: Zelda é eleito o melhor jogo de 2017. Confira todos os vencedores



Continue Lendo

Análise Press Start – LEGO Marvel Super Heroes 2



Continue Lendo