Análise Press Start – Dark Souls 3



Ufa! Essa expressão resume nosso sentimento ao poder enfim finalizar a Análise Press Start de hoje. Foi sofrido, foi suado, foi chorado… Veja o que achamos de Dark Souls 3.

De volta ao martírio mais satisfatório do mundo dos games

Desde o lançamento de Demon’s Souls, lá em 2010, o mundo foi apresentado a um novo estilo de jogo. Não estamos falando de uma nova classe, como RPG ou aventura, mas de uma maneira inovadora de desafiar os jogadores.

A dificuldade sempre foi a principal característica dos jogos da série, que teve ainda Dark Souls, Dark Souls 2 e o mais recente Bloodborne. Em 2016, a From Software nos brinda com Dark Souls 3, que chega para, supostamente, encerrar o ciclo de maneira triunfal.

Dark Souls 3 parece ser a fusão definitiva com o que há de melhor em seus antecessores. Os chefões estão muito variados e bem construídos, os cenários estão absurdamente bonitos, e o combate traz um toque de Bloodborne, acelerando o ritmo dos golpes e esquivas.

Cada passo acelera o batimento cardíaco

Como já é característico da franquia, o simples fato de explorar o mapa da região é uma das coisas mais perigosas de Dark Souls. Isso porque o game é repleto de inimigos impiedosos e armadilhas ardilosas, prontos para tomares as almas que você juntou de maneira tão demorada e suada.

A velha fórmula continua fazendo muito sucesso em Dark Souls 3. Os designs de todas as localidades estão impecáveis, e quando você finalmente consegue desbloquear aquele atalho de volta para um bonfire a sensação de alívio é impressionante.

Além da emoção, a exploração dos mapas de Dark Souls 3 é uma das principais maneiras de se adquirir mais conhecimento sobre a história do jogo. Cada item tem uma descrição apurada, que revela um novo detalhe sobre o sempre sombrio conteúdo da trama.

E Dark Souls 3 usa com maestria todo o potencial do PS4, do Xbox One e do PC. Os mapas são gigantescos, e sempre se pode ter uma noção do que está por vir com uma olhada nos estonteantes horizontes de Lothric.

Combates mais ágeis e armas mais perigosas

O diretor Hidetaka Miyazaki, principal responsável pela série Souls, recebeu elogios pelo novo e mais ágil estilo de combate apresentado em Bloodborne, e, talvez por isso, resolveu introduzi-lo em Dark Souls 3.

O ritmo mais acelerado parece dar um tom ainda mais dramático e exasperado aos combates. E se essa sensação já fica aflorada em duelos com os monstros mais ‘básicos’, imagina na hora de encarar chefões gigantescos que cospem fogo e agitam maciços e aterrorizantes armas gigantescas…

E por falar em armas, Dark Souls 3 apresenta uma outra novidade nesse aspecto. Cada uma das dezenas presentes no game possui uma habilidade chamada de ‘Weapon Art’, que além de dar uma nova dinâmica à estratégia dos combates, é um incentivo para você pelo menos equipar o item uma vez antes de jogá-lo fora.

Também novidade em Dark Souls, mas já presente em Demon’s Souls, a barra de mana chega com o nome de FP, e é gasta ao usar as habilidades das armas, assim como as magias também. Junto com ela, um novo Estus Flask pode ser usado para enchê-la. No ferreiro, é possível balancear a quantidade de flasks que servirão para recuperar tanto HP, quanto FP, o que gera ainda mais cautela na estratégia.

Uma falha que pode comprometer o jogo, mas é fácil de ser eliminada

Dark Souls 3 roda a 30 FPS no PS4 e no Xbox One. E isso é muito mais do que estética no game, já que o timing das esquivas depende e muito deste fator.

Até o momento da publicação desta análise, algumas áreas do game apresentaram quedas de frame, o que causa um certo travamento na movimentação, e influi diretamente em uma possível morte desnecessária.

Felizmente, isso é algo relativamente simples de ser resolvido, e não deve demorar para que a From Software disponibilize novas atualizações para corrigir o problema.

CONCLUSÃO:

Dark Souls 3 é o auge de uma já consagrada franquia. Reunindo as melhores características de seus antecessores, o game parece ser a obra-prima de Hidetaka Miyazaki e da From Software. Para os fãs da série, a compra é garantida, e para quem ainda não a conhece, é um excelente ponto de partida.

PONTOS POSITIVOS:

  • Combate mais ágil e dinâmico
  • Inimigos ainda mais impiedosos
  • Mapas estonteantes

PONTO NEGATIVO:

  • Quedas de frames

NOTA – 10

Gostaríamos de agradecer à Bandai/Namco, que nos cedeu uma cópia de Dark Souls 3 para PS4, plataforma usada nesta análise



MaisRecentes

Embalado por título, INTZ começa sua trajetória no primeiro split do CBLoL 2018 neste sábado



Continue Lendo

Campeonato Brasileiro de League of Legends estreia Temporada 2018 com novo formato e novo estúdio



Continue Lendo

Análise Press Start – Dead Rising 4: Frank’s Big Package



Continue Lendo