Análise Press Start – Call of Duty: Black Ops III – Salvation



É com lágrimas nos olhos que damos início à Análise Press Start de hoje. Isso porque iremos avaliar o último pacote de DLC de Call of Duty: Black Ops III, um game que conseguiu com que nos apaixonássemos novamente pela franquia. Confira o que achamos de ‘Salvation’.

Rupture

Vamos começar com aquele que é o mapa menos legal da DLC. E isso não é necessariamente uma crítica, já que, como iremos ver mais pra frente, os outros três são fantásticos.

Rupture é a remasterização de Outskirts, mapa do clássico CoD: World at War. Desta vez, o cenário é futurista, em uma instalação bem ‘high-tech’. Visualmente não é nada espetacular, mas o objetivo na Treyarch não era impressionar seus olhos.

O ponto alto de Rupture são as Mantícoras, robôs mecas de batalha que são completamente controláveis pelos jogadores, como eram os tanques na Outskirts do WaW. Vale ressaltar que as máquinas não são nada apelonas, e apenas contribuem para variar um pouco mais a jogabilidade no mapa.

Mas se temos robôs de destruição em massa ao nosso controle, por que o mapa é o menos legal? Porque como dissemos, não é nada atraente, visualmente falando, e é gigantesco. Para modos de jogo como TDM e Kill Confirmed, a jogabilidade é cansativa demais.

Micro

Agora a coisa começa a ficar boa. Aliás, MUITO boa. Micro é um daqueles mapas que só encontramos em DLCs. Os produtores tiveram total liberdade para criar um dos ambientes mais inusitados para um confronto militar.

A guerra se passa em uma mesa de comida. Sim, é isso mesmo que você leu. Na melhor pegada ‘Querida, encolhi as crianças’, os soldados foram encolhidos a tamanhos de formigas, e batalham em um cenário com latas de cerveja, cubos de gelo e cachorros quentes.

Com certeza Micro é o mapa mais vibrante e colorido de todo o BO3, e é excelente para qualquer modo de jogo. Testamos Domination, TDM, Uplink… Enfim, qualquer um funciona de maneira bastante fluida.

Outlaw

Salvation é a DLC com mais remasterizações em seu conteúdo. Se não ficamos exatamente fãs de Rupture, a situação é completamente reversa com Outlaw.

Uma versão reimaginada de Standoff, um dos mapas favoritos de Black Ops 2. Se você já gostava dele, esta nova pegada faroeste vai te deixar babando.

A sensação é de estar de volta ao familiar cenário de Standoff, mas o visual faroeste deixou tudo bem mais bonito e polido. Além disso, o sistema de movimentação de BO3 se encaixa perfeitamente no mapa, principalmente com os saltos duplos.

Como já acontecia em Standoff, Outlaw é perfeita para qualquer modo de jogo. A ação frenética permite um TDM bem disputado, com combates em todas as distâncias. Domination também funciona muito bem.

Citadel

O que falar desse mapa, que eu mal conheço e já considero pacas? Citadel é sensacional. E o adjetivo pode ser aplicado a qualquer aspecto da nossa análise.

O mapa é simplesmente perfeito em tudo. Visualmente ele é absurdo, com um look medieval, que lembra um pouco World of Warcraft. E seu gameplay flui como água. O combate é constante e justo, em qualquer parte do mapa.

Ao longo da semana que testamos a DLC Salvation, Citadel foi o mapa que mais foi escolhido na rotação dos quatro que chegaram com a expansão, e não podemos agradecer o suficiente pela colaboração da comunidade.

Revelations

Agora, sim, o Grand Finale. Toda a promoção da DLC Salvation teve o foco maior em Revelations, o capítulo que finalmente encerra a narrativa do modo Zombies.

Se você leu nossa análise de Gorod Krovi, capítulo anterior de Zombies, sabe que disse que aquele era o melhor episódio até então. Pois é, apague essa informação, pois Revelations supera tudo que já foi feito até hoje.

Simplesmente temos acesso a vários mapas antigos de Zombies, e não só de Black Ops III. Passeamos por Kino de Toten e Shangri-la, de Black Ops, Origins, do BO2… O que não falta é nostalgia.

Nostalgia e respostas. Se você acompanha a saga de Zombies desde o início, Revelations é aquilo que encerra e mostra tudo que você sempre quis saber.

Em termos de visual, realmente a Treyarch se superou. Com mapas remasterizados de jogos anteriores e cenários novos também, Revelations é absolutamente estonteante.

Sua jogabilidade não difere muito da receita original, o que é excelente. Os rounds passam, a horda de zumbis cresce e fica mais difícil, ainda é possível pegar seus perks e temos que resolver alguns easter eggs.

CONCLUSÃO:

Salvation não poderia ser mais perfeita para fechar o ciclo de Call of Duty: Black Ops III. Seus quatro mapas de multiplayer são excelentes, com uma pequena ressalva para o tamanho de Rupture, talvez. E Revelations é a famosa chave de ouro para Zombies. Palmas pra você, Treyarch!

PONTOS POSITIVOS:

  • Mapas ótimos no multiplayer
  • Revelations é sensacional

PONTO NEGATIVO:

  • Tamanho exagerado da Rupture

NOTA: 10

Gostaríamos de agradecer à Activision, que nos cedeu um Season Pass de Call of Duty: Black Ops III para PS4, plataforma usada nesta análise.

 

 



MaisRecentes

Análise Press Start – Call of Duty: Infinite Warfare (Retribution)



Continue Lendo

Análise Press Start – Marvel vs. Capcom: Infinite



Continue Lendo

Análise Press Start – Destiny 2



Continue Lendo