Análise Press Start – Assassin’s Creed Syndicate



Bom dia, alunos! Abram seus livros de história. Mais precisamente, na página 86, no capítulo sobre a Revolução Industrial. Calma, você não errou de blog. Na Análise Press Start de hoje, vamos conferir Assassin’s Creed: Syndicate.

A melhor aula de história que você pode ter

Como já é de costume, os games da série Assassin’s Creed nos mergulham em um universo altamente cultural. Ainda não inventaram maneira mais divertida de se aprender um pouco mais sobre vários capítulos da história da raça humana.

E não é diferente em Syndicate. Seguindo os passos dos gêmeos Jacob e Evie Frye, somos introduzidos à revolução industrial que ocorre em Londres no ano de 1868. Com a Era Vitoriana de base, os irmãos devem, como de praxe, enfrentar o império dos templários, liderados pelo vilão Crawford Starrick.

Com personagens e localidades fieis à realidade, Assassin’s Creed Syndicate é perfeito no mix de fatos reais com as tramas e histórias que se desenrolam na capital inglesa.

Isso quer dizer que não é incomum topar com Alexander Graham Bell e Charles Darwin. Além disso, inúmeros pontos turísticos londrinos foram recriados em Syndicate, como o icônico relógio Big Ben, que inclusive é alvo de uma das primeiras missões do game.

Protagonistas, na acepção da palavra!

Jacob e Evie Frye são aquilo que poderiam definir a palavra ‘protagonista’ no dicionário. Com personalidades marcantes e contrastantes, os gêmeos tratam de fazer cada diálogo inesquecível.

A bela Evie é mais lúcida e calculista, buscando sempre resolver as coisas com a estratégia certa. Enquanto Jacob é explosivo e impulsivo, de olho no caminho ‘truculento’ de se solucionar um problema.

As diferenças não param apenas nas personalidades dos irmão. Cada um também possui sua maneira característica de combate. A moça é mais graciosa e furtiva, enquanto o rapaz aposta na força bruta.

Os personagens podem ser alterados em praticamente todos os momentos do jogo, com exceção de algumas missões específicas, que requerem as habilidade de cada um, o que acaba trazendo mais diversidade para o jogador.

Boas e necessárias mudanças na jogabilidade

Visando dar um ‘refresh’ na franquia, a Ubisoft tratou de adicionar mudanças à jogabilidade de Assassin’s Creed Syndicate. O principal novo fator é o gancho, que te dá a possibilidade de alcançar o topo das construções com mais facilidade.

Além disso, o sistema de movimentação recebeu pequenas melhorias. É muito fácil escalar muros e se movimentar pelo alto da cidade. Ao simples toque de um botão, é possível mudar a postura para uma mais furtiva.

O ponto alto nas novidades de movimentação é a presença das carruagens. Com a possibilidade de até mesmo roubar um dos veículos, ficou bem mais interessante desbravar as ruas londrinas, e mais rápido de chegar em uma parte distante do mapa.

Na parte do combate, não há muita novidade. Vale destaca alguns movimentos mais brutais na hora de finalizar um inimigo, o que dá um toque mais realista ao mundo dos assassinos.

A Londres vitoriana é exuberante!

A Ubisoft é referência no que tange à parte gráfica dos games. Isso ficou ainda mais evidente com a nova geração de consoles e computadores mais potentes. Em Assassin’s Creed Syndicate nos vemos diante de uma obra-prima.

O visual do game é simplesmente fantástico, e nos deixa de boca aberta desde as coisas mais simples, como uma poça de águas na rua, até as mais impactantes como os pontos turísticos e por do sol.

Os personagens principais receberam atenção especial, incluindo as figuras reais retratadas no jogo. Com certeza você não vai querer cortar uma cena de diálogo para voltar logo para a ação.

O que não gostamos

Assassin’s Creed Syndicate é um jogo que fica muito próximo do ideal. Mas, como tudo na vida, não é perfeito, e apresenta falhas, mesmo que pequenas, mas que merecem ser mencionadas.

Enquanto os personagens principais são muito bem feitos, o mesmo não pode ser dito dos coadjuvantes. Os inimigos são altamente repetitivos em sua aparência e forma de combate.

Além disso, ainda encontramos bugs meio bizarros, como npc’s que somem do nada, e ficar preso na parede, com metade do corpo de Evie afundado na construção, e ter que recorrer ao carregamento de um save para voltar ao jogo.

CONCLUSÃO:

Assassin’s Creed Syndicate é sem dúvidas o melhor jogo da franquia nos últimos anos. E pode ser até mesmo apontado como o top geral. Com protagonistas marcantes, jogabilidade mais afiada e gráficos de ponta, o game supera a repetitividade dos inimigos e pequenos bugs de forma satisfatória.

PONTOS POSITIVOS:

– Protagonistas memoráveis
– Visual deslumbrante
– Jogabilidade refinada

PONTOS NEGATIVOS:

– Inimigos repetitivos
– Pequenos bugs

Nota: 9/10

*Gostaríamos de agradecer à Ubisoft, que nos cedeu uma cópia de Assassin’s Creed Syndicate para PS4, plataforma usada nesta análise.



MaisRecentes

Em noite de gala, Team One se destaca e Felipe ‘brTT’ é eleito o craque da galera no prêmio CBLoL



Continue Lendo

Toma-lhe GOTY! Os cinco candidatos ao prêmio de Melhor Jogo de 2017



Continue Lendo

Análise Press Start – Assassin’s Creed Origins



Continue Lendo