Um banho de corpo e alma



Desta vez Rogério Ceni não foi herói de um título ou protagonista em um clássico. Não marcou um golaço de falta e nem se esticou para tornar real um milagre. Não precisou discutir com os árbitros e nem provocar os adversários. Ainda assim, foi decisivo como sempre neste fim de temporada para o São Paulo.

E que temporada digna de esquecimento. Com Ceni em grande forma no fim 2014, a certeza era de glórias para 2015, a começar pela Copa Libertadores da América. Não houve tetra, houve sofrimento por uma vaga nas oitavas de final e a queda de um ídolo como Muricy Ramalho. E até mesmo Fábio, a maior vítima do Mito, conseguiu frustrar os planos do Tricolor ao eliminar o rival no Mineirão.

De Alejandro Sabella a Vanderlei Luxemrburgo, o escolhido foi Juan Carlos Osorio. Ceni renasceu e se encheu de esperança por mais um título antes de se aposentar. O peito inflado de confiança, contudo, murchou com cada um dos oito jogadores negociados durante o Campeonato Brasileiro. Tornou-se vazio com cada escândalo político que assolou o Morumbi.

Nem a trancos um time apático parecia ter sangue para superar os barrancos que se formaram no caminho. A rota do título brasileiro foi desviada para a Copa do Brasil e, sem sinalização, caiu em um beco sem saída: Libertadores ou nada! Sem rumo, sem técnico e sem Ceni, vencido por rara lesão, a vaga surgiu.

Era pouco, muito pouco para um ano de demissões, comissões e decepções tão frequentes quanto doloridas. Dores também de um até logo para Luis Fabiano e de um adeus para Juvenal Juvêncio. Mas se havia qualquer chance de resgatar 12 meses de aflição, certamente ela passaria pelas mãos e pelos pés do Mito.

Rogério Ceni trocou os recordes individuais pela realização de sonhos coletivos. Fez, do massagista a Raí, todos sentirem a gratidão pelas conquistas com as cores do São Paulo. Com as lágrimas que correram no Morumbi, lavou a alma de um clube e de uma torcida, certamente agora mais preparados para um 2016 de mais paz.



  • Futuko Kubo

    Título da matéria perfeito, uuuuuuuiiiiiiii !

MaisRecentes

‘Hudson é um bad boy elegante’



Continue Lendo

Quando se faz jus ao termo trabalho



Continue Lendo

São Paulo e as expulsões a base de anti-inflamatório



Continue Lendo