Movimentação maior do que em todo ano



A impressão deixada pelos 15 primeiros minutos goleada do São Paulo por 3 a 0 sobre a Portuguesa na noite desta quarta-feira foi de que o Tricolor teve mais movimentação em campo do que em toda a temporada.

A causa mais plausível para essa mudança de postura foi a presença de jogadores reservas em busca de espaço diante da troca de técnico. Paulo Miranda, Rodrigo Caio, Hudson e Centurión foram os responsáveis por esse fôlego e ganharam moral com os corajosos torcedores que compareceram ao vazio Morumbi.

Bem verdade que a agora rebaixada Lusa não proporcionou muitas dificuldades, mas foi louvável a forma como o mistão do São Paulo se impôs na partida. Fosse em roubadas de bola precisas, tabelas de primeira e jogadas de infiltração dos volantes.

Entre os que mais aproveitaram a chance sob o comando de Milton Cruz, mais ativo do que costumava ser ao substituir Muricy Ramalho, Hudson e Centurión foram os melhores. O primeiro funcionou como motor do time, tanto em arrancadas quanto na distribuição do jogo, e ainda foi recompensado duas vezes pelo esforço na marcação e pela iniciativa de aparecer na área: recebeu a faixa de capitão e fez o 3 gol da noite.

Já Centurión foi o coração tricolor. O argentino teve liberdade diante da frágil defesa da Lusa, mas não se acomodou em apenas arriscar jogadas individuais. Buscou tabelas e ajudou bastante Carlinhos atrás.

O placar elástico e o adversário fraco poderiam ter feito outros nomes aparecerem mais. Enquanto os titulares Dória e Alexandre Pato cumpriram os papéis com dois belos gols, o lateral-direito Bruno e o atacante Cafu decepcionaram.

Bruno tem o péssimo hábito de preferir cavar faltas a seguir nos lances mais firmes. Cafu sofre do mesmo defeito, embora consiga incomodar mais os adversários. O problema é que o camisa 17 esteve afoito no jogo todo e quando teve a chance de redenção, perdeu o pênalti que sofreu.



  • Ge Domingos

    Ontem fui ao morumbi e vemos que existe um São Paulo sem ganso e Rogerio, Não demerecendo o mito nem toda a sua historia, mas existe.

    o Bruno é horrivel, sem chance.

    Carlinhos mesmo com as duas pernas amarradas (nunca vi um jogador que nao corre) foi bem, acredito que pode render mais.

    e o Cafú sabe jogar, tem noção, se fizer o basico até pegar confiança pode nos render alegrias.

    enfim parabens aos guerreiros que compareceram ontem.

    #Avantemeutricolor

  • E Marcelo Coccito,ele faria este time jogar ! Lembra de São Paulo 3×0 Grêmio em 1981 ? – o twist de Paulo César no goleiro Leão,pobre goleirão ! Arreia ! Arreia ! Me mata ! Me mata !

  • buka

    o time ser to do são paulo seria -Renan -dória-lucão -Carlinho -Hudson -wesley -souza -bosquilha Michael basto-centurion -e pato

MaisRecentes

‘Hudson é um bad boy elegante’



Continue Lendo

Quando se faz jus ao termo trabalho



Continue Lendo

São Paulo e as expulsões a base de anti-inflamatório



Continue Lendo