Trio deixa o time mais cerebral e experiente



Poquíssimos times no mundo contam no elenco com três meias de alto nível. Dentro da realidade do futebol brasileiro, então, o privilégio do São Paulo em ter com Paulo Henrique Ganso, Kaká e Michel Bastos é ainda maior.

O trio esteve em campo desde o início e como meias apenas na vitória por 2 a 1 contra o Bahia, mas já mostrou serviço. O ponto mais interessante da formação é a maneira como conseguem utilizar os espaços em campo. O gramado parece encurtar com a inteligência dos três.

Michel Bastos impressiona pela intensidade. Muda de direção com facilidade, dribla e finaliza com qualidade. “Peca“ por ficar muito cansado no fim, algo provocado pela movimentação que abre espaços para o time, o que era feito por Alexandre Pato, mas sem tanta inteligência.

Ganso, mais cadenciado, aparece para encontrar as brechas deixadas por Michel. O cérebro e os pés do Maestro são as engrenagens do Tricolor. Quando trabalham em conjunto, a equipe dificilmente perde.

Kaká, que carrega a experiência como trunfo, é quem preenche os espaços abertos por Michel e explorados por Ganso. É o responsável pelo amadurecimento das jogadas.



  • massimo

    mito e soberano rumo ao 7-3-3 e ao tri da sulamericana, muriçoka vamos olhar a base com mais carinho, voce so gosta de medalhoes que dao muito dinhieiro para muitos menos para o clube, e a base so o clube ganha, voce ja foi mandado embora do santos por nao dar chance a base, criatura seja mais justo, o que voce fez com o evandro e com o boshila nao se faz.

MaisRecentes

‘Hudson é um bad boy elegante’



Continue Lendo

Quando se faz jus ao termo trabalho



Continue Lendo

São Paulo e as expulsões a base de anti-inflamatório



Continue Lendo