Era para ser uma semana paz e amor



Muricy Ramalho tem toda razão em bater no calendário do futebol brasileiro, na falida CBF e seus pares, mas o São Paulo poderia ter minimizado e muito o desgaste que terá nesta semana. Na verdade, por incompetência, um período que tinha tudo para ser paz e amor, de poupar jogadores contra um fraco Huachipato e mirar a ponta do Brasileiro contra o Cruzeiro, se transformou em drama.

A começar pelo confronto na Sul-Americana. Luis Fabiano tem boa parcela de culpa. A expulsão no início do primeiro jogo minou um resultado elástico. O 1 a 0 foi pouco, era para ter garantido a vaga no jogo de ida.

Depois, no Brasileiro, mais uma vez a equipe derrapou quando o Cruzeiro deu brecha. Na ausência de Muricy, a derrota para o Fluminense em casa foi compensada com o triunfo sobre o Grêmio fora. Mas, ao perder do Atlético-MG, num dia em que o Cruzeiro levou três do Flamengo, a fase paz e amor foi para o espaço.



MaisRecentes

‘Hudson é um bad boy elegante’



Continue Lendo

Quando se faz jus ao termo trabalho



Continue Lendo

São Paulo e as expulsões a base de anti-inflamatório



Continue Lendo