Ataque vai do embalo ao abalo



Pela segunda vez – apenas – no Campeonato Brasileiro, o São Paulo saiu de campo sem balançar as redes adversárias. Antes da derrota por 1 a 0 para o Atlético-MG no último domingo, isso só havia acontecido no revés pelo mesmo placar contra a Chapecoense no primeiro turno do torneio nacional.

A marca negativa exemplifica o momento conturbado do setor ofensivo do Tricolor. Do embalo provocado pelos nove jogos de invencibilidade e pelos bons jogos do quarteto mágico, a linha de frente agora parece sofrer um abalo. Já se passaram quatro partidas desde que um atacante marcou pela última vez.

Alexandre Pato foi às redes na derrota por 3 a 1 para o Fluminense há 16 dias. Antes dele, Luis Fabiano fez no empate em 2 a 2 com o Flamengo, enquanto Alan Kardec marcou no 2 a 0 sobre o Cruzeiro, ainda em 14 de setembro. O maior jejum, no entanto, é o de Osvaldo, que não marca desde 7 de maio.

O último gol do atacante saiu na vitória por 3 a 0 sobre o CRB na segunda fase da Copa do Brasil. As assistências, a princípio, compensavam a seca de gols, mas nas últimas partidas Osvaldo tem pecado – e muito – pela falta de qualidade em fundamentos básicos. É um jogador talentoso, mas mal formado.

Por ser o menos badalado entre os atacantes mais utilizados por Muricy Ramalho, deve sofrer as consequências da má fase ofensiva do time, algo que ocorreu com Ademilson em julho. Alan Kardec e seu jejum de sete jogos, entretanto, também devem ser cobrados. Importância tática não é suficiente para quem custou tanto – dinheiro e esforço.

Em toda essa fase turbulenta, Pato parece ser o menos culpado. Costuma criar mais do que os companheiros, mas costuma ser o primeiro a ser substituído por Muricy. Contra o Galo, por exemplo, o drible do camisa 11 fez falta em um segundo tempo de poucos espaços para o ataque.



  • Ivan

    todo jogo, o mais esforçado do ataque é o pato e ainda assim, é sempre substutuido… enquanto isso, o kardec…

  • Eduardo Prado

    O Muricy é sem sombra de dúvidas um excelente treinador e tem 100% de identidade com o São Paulo e sua torcida, porém deixa a desejar como técnico de campo. Demora muito para tomar decisões em situações nítidas que determinada peça ou esquema não está funcionando e via de regra toma decisões erradas.

    O Alexandre está pagando o Pato em todos os jogos nas substituições, mas já há algum tempo tem demonstrado ser o único jogador diferente no ataque do time. O Ganso por outro lado joga bem em 2 de cada 10 jogos, é apático, não conclui, erra dezenas de passes, não tem arranque nem consegue progredir verticalmente para o gol, mas, assim como por boa parte da imprensa, é visto como mágico pelo Muricy.

    O Hudson já demonstrou ser 10 vezes superior ao Denilson, mas essa transição vai demorar pelo menos uns 5 meses na mão do Muricy, que demorou outros 5 para chegar a conclusão que o Maicon é um jogador lento demais para ser titular do São Paulo. O Osvaldo, deve ser um santo e fazer tudo o que o técnico manda fora do campo, porque no campo é dispersivo, não marca, não sabe driblar, chutar nem se fala e é sempre a opção número 1 do treinador, aí meu amigo, quem paga é o Pato.

    Nosso amigo Alan Kardec, também adorado por boa parte da imprensa, parece que joga mais que o Ronaldo fenômeno. Meu Deus devo ser cego.

    E para finalizar, parece que o Muricy jamais foi jogador da base do São Paulo, pois com ele chances, só em fria como a que ele meteu esse menino Auro há semanas atrás. Espero que essas novas revelações como o menino Boschila não virem um segundo Oscar novamente na mão do Muricy.

  • CAIO FELICIANO

    PO ESSE MURICY ESTA DE BRINCADEIRA COMO DIZ O NETO , O PATO É O UNICO CARA QUE ESTA CORRENDO E FAZENDO ALGO DE OUSADO NO ATAQUE COM QUALIDADE E ELE ME SACA O CAR E DEIXA O OSVALDO QUE NÃO ESTA ACERTANDO NEM ESCANTEIOS …ACORDA MURICY O TIME É O PATO ,ROGERIO CENI E MAIS 9 …….

  • João Pereira

    Amigo, é só trocar de treinador que as coisas acontecem.
    Não adianta mais vocês da imprensa ficarem vendendo uma imagem que o Muricy nunca teve.
    Treinador de time pronto, fraco, teimoso (burro?), preguiçoso e presunçoso.
    A moda e a dificuldade agora é o calendário. Jogamos muito (jogos), mas o time do Telê jogava mais (jogos – 90 por ano – e futebol, sem dúvida).
    O melhor treinador que o SPFC já teve, aquele sãopaulinaço “salvou o time da degola em 2013”, está matando o meu SPFC e vocês sempre transferem a responsabilidade para os jogadores.
    Concordo que treinador não ganha jogo por que não joga, mas perde o jogo por burrice, miopia tática, teimosia e outros que tais. Se bem que se fazem um substituição que dá certo, é mtério para 2 ANOS DE ELOGIOS… Queria ver se fosse o Ney Franco, inimigo do RC, o Autuori, o Leão…
    Fora Ganso!!! Fora Pato!!! Precisamos é de 6 Álvaros Pereira, raçudos e … caneludos, mas que dão carrinho até na mãe. Isso ganha jogo (além do treinador, of course!)
    Abraço.

  • Luiz

    Burricy, se você continuar tirando o Pato e deixando o Kardec em campo, nós vamos invadir o CT, TÁ OUVINDO, ARROGANTE?

    • LOBOTIMÃO

      sim invadirão com muitas plumas e purpurinas.

MaisRecentes

‘Hudson é um bad boy elegante’



Continue Lendo

Quando se faz jus ao termo trabalho



Continue Lendo

São Paulo e as expulsões a base de anti-inflamatório



Continue Lendo