Prova de que é preciso ter paciência



Os dois principais nomes do São Paulo na atual temporada exemplificam o quanto é primordial ter paciência com alguns jogadores no elenco.

Jadson e Osvaldo estrearam com uma partida de diferença, em fevereiro do ano passado. O camisa 10, vindo com a missão de organizar o meio tricolor, não caiu nas graças de Leão e quando não era barrado, raramente completava uma partida sem ser substituído.

Já Osvaldo, vivia situação inversa. Sempre no banco, tinha poucos minutos para mostrar seu futebol.

A mudança começou ainda com Milton Cruz. Interino por duas partidas, ele escalou o atacante como titular, na vitória contra o Coritiba, e manteve Jadson nos 90 minutos.

Ney Franco assumiu, manteve os dois e encontrou o esquema ideal que resultou no padrão de jogo encontrado pelo time. Com uma sequência, ambos mostraram a importância que têm no grupo.

A pré-temporada que eles não tiveram em 2012, só comprovou isso.



  • Helder

    Sem mais.

MaisRecentes

‘Hudson é um bad boy elegante’



Continue Lendo

Quando se faz jus ao termo trabalho



Continue Lendo

São Paulo e as expulsões a base de anti-inflamatório



Continue Lendo