Trabalho com futuro bastante promissor



A primeira entrevista coletiva de Ney Franco como técnico do São Paulo dá
mostras de que o trabalho pode render bons frutos. O estilo apaziguador e aberto para conversas vai seguir na linha utilizada por Milton Cruz durante as duas últimas semanas e que surtiu efeito.

O atual modelo e conduta contrasta com o anterior e certamente isso ajudará a todo elenco, principalmente porque Ney conhece grande parte dele em razão do trabalho nas categorias de base durante o tempo de Seleção.

A volta de líderes como os experientes Luis Fabiano e, principalmente, Rogério Ceni aumentará o diálogo entre técnico e jogadores. Apesar de ser uma coisa aparentemente simples, estava em falta pelos lados do Morumbi ultimamente e agora pode fazer a diferença.

O sucesso de Ney Franco abre brecha para mudar também o conceito da atual direção. A conversa parece passar longe de lá em alguns momentos e o modelo de gestão centralizador deveria se espelhar no estilo do comandante.

O caminho para um trabalho bem feito começou ontem e tem tudo para colocar o São Paulo no caminho das conquistas novamente. O próprio histórico de Ney Franco contribui para isso.



  • Neil Azevedo

    Concordo plenamente Rafael… acredito ser o melhor treinador desde a saída de Muricy do time.. e olha que acho o Ricardo Gomes um baita treinador, na mesma linha de conduta que o Ney.
    Minha duvida é com relação ao esquema tático.. o Ney não costuma armar suas equipes no 3-5-2, mas parece em função do apoio constante dos laterais e da falta de marcação dos mesmos ser o ideal para o momento…
    Qual sua opinião com relação a qual vai começar o trabalho?
    abraço.

  • Daniel

    O comentário do amigo acima é perfeito: aparentemente, ele não armará o time com 3 zagueiros e isso preocupa. Os laterais tricolores marcam muito mal e apoiam muito bem; ao mesmo tempo, os zagueiros são lentos e estabanados, precisam de uma sobra constante que vai fazer falta com um zagueiro a menos. Ele poderia testar o esquema usado no domingo: o time entrou visivelmente no 3-5-2, com Rodrigo caio jogando pelo meio. Com o passar do jogo e vendo que o Coritiba só tinha um homem mais fixado na frente, o Rodrigo veio jogar na frente dos zagueiros, variando para o 4-4-2. Funcionou muito bem.

MaisRecentes

‘Hudson é um bad boy elegante’



Continue Lendo

Quando se faz jus ao termo trabalho



Continue Lendo

São Paulo e as expulsões a base de anti-inflamatório



Continue Lendo