Técnico do Boca pode repetir feito histórico contra o River - Toco y me voy

Técnico do Boca pode repetir feito histórico contra o River



Foi na edição da Copa Sul-Americana de 2007, com o Arsenal de Sarandí, que Gustavo Alfaro conseguiu o que pretende atualmente: eliminar o River Plate e alcançar a final de uma das Copas mais importantes do continente. Após empate por 0 a 0 em ambas partidas, o time de Alfaro foi superior nas cobranças de pênaltis. Naquele elenco do River estava Leo Ponzio, quem na atualidade segue vestindo a camisa do millonário.

No início de 2006, Daniel Passarella assumiu o comando River substituindo o treinador Mostaza Merlo. Os resultados não estiveram nem perto do esperado. Foi o primeiro ano com eliminação nas quartas de final da Libertadores e oitavas da Sul-Americana, além do terceiro lugar nos dois torneios nacionais. Já no primeiro semestre de 2007, o time millonário alcançou apenas o quarto lugar do Torneo Clausura e foi eliminado pelo Boca na primeira fase da Libertadores.

No último semestre a situação se manteve. A campanha no campeonato local foi fraca e terminou com o River na décima quarta posição. Mas a Sul-Americana continuava como principal objetivo. O time do Monumental vinha de eliminar Botafogo e Defensor Sporting e teria pela frente o humilde Arsenal de Alfaro, que eliminou na primeira fase San Lorenzo, Goiás e Chivas de Guadalajara.

Nesta instancia, Alfaro já era um reconhecido treinador no futebol argentino. Com históricos na série B, dirigindo Atlético Rafaela e Quilmes, migrou para a primeira divisão em 2001 com o Belgrano de Córdoba. Depois disso, foi campeão da segunda divisão com o Olimpo e dirigiu o San Lorenzo antes de assumir o Arsenal em 2006. No “Arse” fez história conquistando quatro títulos, um deles a mencionada Sul-Americana, seguido pelo Clausura 2012, Supercopa 2012 e Copa Argentina 2013.

Noventa minutos sem gols marcou o jogo de ida da decisão entre Arsenal e River e a história se resolveu no Monumental. Os visitantes tiveram algumas chegadas importantes, mas com o correr dos minutos o millonário monopolizou o jogo e converteu em figura o goleiro visitante Mario Cuenca. A lesão de Ortega aos 20 minutos foi o presságio de uma noite escura para os donos da casa.

Faltando apenas 10 minutos para o final, Oscar Ahumada deu um carrinho em Papu Gómez e foi expulso. O mesmo Cuenca que havia sido figura no tempo regulamentar redobrou as apostas nas cobranças de pênaltis. Conteve os chutes de Belluschi e Lima, marcou o seu e fez delirar alguns dos fanáticos de Sarandí que o apoiavam no Monumental repleto.

Foi assim que o Arsenal voltou a eliminar o River da Copa Sul-Americana (como pela segunda fase da edição de 2004) e se encaminhou ao título inesquecível contra o América do México.



MaisRecentes

River Plate: tudo o que você precisa saber sobre o finalista da Libertadores



Continue Lendo

Os gritos de gol foram inesquecíveis segundos de liberdade



Continue Lendo

No futebol moderno, os detalhes ganham partidas



Continue Lendo
%d blogueiros gostam disto: