River Plate: tudo o que você precisa saber sobre o finalista da Libertadores - Toco y me voy

River Plate: tudo o que você precisa saber sobre o finalista da Libertadores



River Plate campeão da Libertadores 2018, em Madrid

Fundado em 1901 em Buenos Aires, River Plate é o clube que registra a maior quantidade de temporadas disputadas na história do campeonato argentino, tem o maior número de vitórias, gols convertidos e títulos conquistados em âmbito nacional. Foi campeão trinta e seis vezes da primeira divisão e duas vezes da Copa Argentina, além do título da série B após rebaixamento em 2011.

Contra o Flamengo, o time argentino disputará sua sexta final de CONMEBOL Libertadores, logo de vencer o Boca Juniors na edição de 2018, em Madrid. Das cinco finais que disputou (1966, 1986, 1996, 2015 e 2018), apenas não levantou a taça na primeira oportunidade, em 1966.

No campeonato argentino ocupa o quarto lugar com 24 pontos, um a menos que o líder Boca Juniors. Na última semana se converteu em um dos finalistas da Copa Argentina, que se disputará contra o Central Córdoba, de Santiago del Estero.

Gallardo alcançou o número de quinze finais disputadas em cinco anos de River Plate

MARCELO GALLARDO

Depois de trinta campeonatos disputados, dez voltas olímpicas e quinze finais em apenas cinco anos, Gallardo bateu todos os recordes e se converteu no maior ídolo do mundo riverplatense. Jogando pelo millonário, foi campeão da Libertadores 96, título que conquistou também como treinador da equipe em 2015 e 2018.

Como técnico do River venceu a Copa Argentina (2015-16 e 2016-17), Supercopa (2017), Copa Sul-Americana (2014), Recopa (2015, 2016 e 2019), Libertadores (2015 e 2018) e Copa Suruga Bank (2015). Além dos títulos, também comemora outro fator, eliminou o seu eterno rival Boca Juniors em cinco oportunidades: semifinal Sul-Americana 2014, oitavas de final Libertadores 2015 e Supercopa Argentina 2018, final Libertadores 2018 e semifinal Libertadores 2019.

TÁTICO

Gallardo é um treinador que aposta pela pressão alta, por uma equipe compacta com defesa adiantada para recuperar, interceptar e atacar. Seu River tem um estilo ofensivo, com jogadores versáteis que se adaptam aos diferentes sistemas do treinador. Às vezes está desenhado num 5-3-2 para retroceder e num 3-1-4-2 para atacar. Seu esquema habitual é um 4-4-2 que recebe muitas variantes de acordo com o rival.

Os meias propõem o jogo. A saída acontece com três jogadores que se transformam na linha defensiva quando o time retrocede. Os laterais avançam ao campo de ataque com os meio-campistas, exploram em amplitude e geram superioridade numérica em campo rival.

Defensivamente se nota agressividade na pressão alta, fazendo com que o rival tente sair jogando com passes diretos para tratar de intercepta-los. Após a perda da posse, os defensores pressionam o adversário e fecham as linhas de passe, a zona central se torna mais compacta com Enzo Pérez como pilar e com seus atacantes somando-se à marcação no meio campo.

Seus atacantes e meio-campistas formam blocos durante a transição defensiva. Ignacio Fernández e Exequiel Palacios são os encargados de dar jogo ao time, elevando a velocidade em ataques de De La Cruz.

River venceu o Boca Juniors na semifinal da Libertadores 2019

CARACTERÍSTICAS DE CADA JOGADOR

GOLEIRO

  • Franco Armani: sua titularidade é indiscutível mesmo que seja menos exigido em alguns jogos, já que o River afasta os rivais de sua própria área, mas é suficiente para comprovar que seu nível é o mesmo. Vem agregando à sobriedade de seu jogo um novo fator: maior decisão para sair com a bola nos pés

LATERAIS

  • Gonzalo Montiel: na maior parte do tempo joga bem aberto para dar amplitude ao ataque do River. Suas projeções sempre foram pegadas à lateral do campo
  • Milton Casco: mesmo que jogue aberto em certas ocasiões, na maior parte do tempo infiltra no meio campo. Quando River tem a posse, Casco se move até o círculo central e gera superioridade para atacar e para a pressão pós perda. Jogando desta maneira, recupera muitas bolas na zona e participa da criação devido sua boa leitura de jogo

DEFENSORES

  • Lucas Martínez Quarta: o River é conhecido por sua alta pressão, a linha defensiva por momentos se adianta e neste momento Lucas se destaca por sua interpretação. Demonstra capacidade em seu posicionamento corporal, seja para antecipar, limitar uma ação ou dar cobertura
  • Pinola: o pilar da defesa central. Tem bom manejo das posições de seus companheiros na hora de defender. Se posiciona bem para o jogo aéreo quando o River ataca, em cobranças de falta e escanteio

MEIO-CAMPISTAS

  • Ignacio Fernández: a figura do atual River Plate. Não tem posição fixa, muitas vezes o vemos jogando aberto ou fechado, buscando sempre estar perto de Borré e Suarez. Quando recebe cruzamentos sobretudo pela direita, de Montiel, joga em diagonal nas costas do zagueiro central rival. De bom posicionamento e sacrificio, é um jogador fundamental no esquema de Gallardo, forma parte da elaboração do jogo, é ótima referência no meio-campo, vertical, dá muita assistência e define bem. Foi definido por Riquelme como o melhor jogador do futebol argentino
  • Enzo Pérez: passou a jogar de volante justamente com Jorge Jesus, quando estava no Benfica. Com qualidade em combates mano a mano, passes de ruptura e criação de jogo, tem facilidade para iniciar e finalizar uma jogada. Ao seu redor se movem os meias, os atacantes retrocedem, a defesa nunca está a mais de dez metros de distância. Dessa maneira, tem movimentos curtos em velocidade, e seu trabalho é simplificado
  • Exequiel Palacios: Gallardo o considera uma das peças chaves em seu esquema. Tem capacidade para reter a bola e buscar espaços, sua dinâmica também o converte num bom finalizador. Pode jogar tanto como pivô, aproveitando sua capacidade de desarme, como também mais adiantado, destacando seu talento para filtrar passes entre a defensa rival ou finalizar
  • Nicolás De La Cruz: jogador de muita velocidade, quando ataca joga mais aberto com o objetivo de fazer “dois contra um” com os zagueiros. Também é chave na recuperação da posse de bola

ATACANTES

  • Rafael Santos Borré: é um jogador que gosta de sair jogando, traz mais velocidade enquanto Suarez joga mais fixo. Sacrifica o posto de atacante e forma um tridente no meio com Palacios e Enzo Perez, deixando Nacho Fernández um pouco mais solto para chegar à área rival
  • Matías Suárez: pode jogar atrás do centroavante ou ao seu lado, como também tem experiência para ser um 9 de área. Tem grande número de assistências e um olfato criativo fundamental para a criação e boa marcação


MaisRecentes

Técnico do Boca pode repetir feito histórico contra o River



Continue Lendo

Os gritos de gol foram inesquecíveis segundos de liberdade



Continue Lendo

No futebol moderno, os detalhes ganham partidas



Continue Lendo
%d blogueiros gostam disto: