Neymar: mais polêmica, mais pressão



Ele estendeu a mão para o rival caído no chão, sugerindo que iria ajudar a levantá-lo. Mas deixou o sujeito no vácuo e saiu correndo para trás, com uma risadinha irônica.

Este foi o último (mas não o final) ato de Neymar no futebol francês. Foi como um revide pelo fato de ele ter sido caçado em campo na partida da Copa da Liga Francesa contra o Rennes. Mais uma vez, porém, um gesto seu pegou mal e gerou grande repercussão em Paris e no mundo.

Neymar está há muito pouco tempo na França, mas já acumula uma série de episódios controversos que geraram zumzumzum. O último, deixar um rival no vácuo, nem parece dos mais graves. Foi uma brincadeira (que pode-se discutir se engraçada ou não), mas a reação parece até desproporcional se comparada com o ato.

O problema é o acúmulo de episódios e a imagem que o maior astro brasileiro está formando: a do sujeito mimado que estraga a brincadeira quando não está satisfeito, que precisa ser protagonista o tempo todo. Se essa é a imagem verdadeira dele? Se perguntar para algum dos “parças” que o acompanham ao redor do mundo, não. Mas para boa parte das pessoas que acompanham sua carreira, sim. Por isso mesmo estamos falando de “imagem”, aquilo que ele projeta, mesmo involuntariamente, para o mundo.

Neymar pode ser como quiser e projetar a imagem que ele desejar. O problema começa quando tudo o que ele faz além de jogar (muita) bola ganha destaque. As estações se misturam, o que é inevitável, e chegamos aos títulos que o jogador terá a disputar na carreira além dos possíveis prêmios individuais. Em resumo: cada polêmica fora de campo aumenta a pressão para que ele responda dentro dele com conquistas

No futebol e na vida existe uma dose nada desprezível do imponderável. O Brasil é um dos favoritos para a conquista da Copa do Mundo, sem dúvida. Mas não há garantia de sucesso na Rússia. O PSG pode conquistar a Liga dos Campeões? Sem dúvida, mas também não há garantia de que isso vá acontecer.

Se Neymar não levantar a taça do mundo com o Brasil e nem a “orelhuda” com o PSG, tudo o que aconteceu fora de campo ao longo dos últimos tempos com o jogador brotará, como que a mostrar que ele é mais um garoto mimado do que um craque (eu acho o contrário: é mais jogador do que mimado).

As conquistas possíveis para Neymar passam a ser como respostas às acusações que ele sofre, de que é mascarado, mimado, ostentador e etc. O jogador não é vítima neste processo: ele é super-ativo nas mídias sociais porque quer, projeta a imagem que deseja para o mundo. Não há complô ou perseguição a ele. Mas tudo o que acontece fora das quatro linhas perderá força se as conquistas esportivas de fato chegarem.

Pela forma como escolheu se comportar, Neymar coloca mais pressão ainda para que seja o melhor dentro de campo. Para ele, para o PSG e para a Seleção Brasileira, será bom que esta pressão seja aquela positiva, que faz com que o atleta alcance seu nível mais alto. Ele tem bola para conseguir. Mas, no futebol e na vida, como já escrito, há uma boa dose do imponderável.



MaisRecentes

Existem ‘mentiras’ convenientes, Carille



Continue Lendo

Na forma da convocação, Inglaterra deu show. O Brasil segue careta.



Continue Lendo

A “injustiça” com Buffon



Continue Lendo