Lições do Brasileirão



O Campeonato Brasileiro acabou e ouço aqui e ali que o nível técnico foi baixo. Evidentemente não é possível comparar o que é praticado no Brasil com o que se vê nos principais centros da Europa. Há a diferença financeira e há a diferença de desenvolvimento do jogo para se colocar na balança. Olhando por este aspecto, sim, ainda estamos devendo muito.

Mas não entendo que o que vimos por aqui seja o retrato do inferno na Terra. A começar pelo campeão. O Corinthians pode não ter demonstrado um futebol vistoso e de muitas trocas de passes, mas é impossível contrariar que foi o time mais organizado de todo o campeonato. Proposta de jogo clara, todos os atletas sabendo exatamente o seu papel de engrenagem para que a máquina toda funcionasse, além de um sistema defensivo muito forte. Nenhum outro time no campeonato conseguiu por um período grande reproduzir o futebol do time de Carille neste sentido.

Fica um ensinamento de tudo isso. A continuidade de um trabalho é fator muito importante para o sucesso. Carille foi um dos poucos treinadores que iniciou e terminou o ano no mesmo clube. Renato no Grêmio (campeão da Libertadores) e Mano Menezes no Cruzeiro (campeão da Copa do Brasil) são outros exemplos. Não pode ser apenas coincidência.

Ainda sobre o Corinthians, há uma filosofia de jogo clara adotada há mais de cinco anos. E isso também conta. Enquanto os principais rivais do Timão trocaram de treinadores e, consequentemente de filosofia, o Corinthians permaneceu fiel (sem trocadilho) às suas convicções, que resultaram em uma baciada de títulos nos últimos anos. Melhor: a torcida corintiana entende claramente esta filosofia e está satisfeita com ela.

Outra lição que este Brasileiro nos traz. Dinheiro não é tudo. Os dois clubes atualmente mais ricos do país naufragaram na competição nacional mais importante do nosso calendário. Trocas de técnicos, elencos recheados mas nem tanto equilibrados. Tudo isso contribuiu para o fracasso em campo de Palmeiras e Flamengo.

O papel de algumas torcidas também é um ponto a se destacar. Se o Corinthians campeão contou com o apoio da Fiel ao longo de todo o Brasileiro, a do São Paulo soube levar no colo um time que, sozinho, não teria forças para sair do lamaçal da zona de rebaixamento. O que fez a torcida tricolor ao longo do Brasileiro é assunto para ser lembrado por anos. É exemplo positivo que uma torcida organizada pode ter orgulho de exaltar.

O novo calendário é um ponto a ser estudado. Com a Copa do Brasil e a Libertadores percorrendo todo o ano, é muito difícil apontar para todas as frentes. Este ano, ninguém conseguiu. Veremos como será daqui para frente.

Para quem acha que o Brasileiro foi de baixo nível, sugiro uma comparação: os estaduais estão aí, vão começar logo no princípio da próxima temporada. Se alguém reclamar que o Brasileiro é ruim, o que esperar do que vem por aí?



MaisRecentes

Existem ‘mentiras’ convenientes, Carille



Continue Lendo

Na forma da convocação, Inglaterra deu show. O Brasil segue careta.



Continue Lendo

A “injustiça” com Buffon



Continue Lendo