Lições do Brasileirão



O Campeonato Brasileiro acabou e ouço aqui e ali que o nível técnico foi baixo. Evidentemente não é possível comparar o que é praticado no Brasil com o que se vê nos principais centros da Europa. Há a diferença financeira e há a diferença de desenvolvimento do jogo para se colocar na balança. Olhando por este aspecto, sim, ainda estamos devendo muito.

Mas não entendo que o que vimos por aqui seja o retrato do inferno na Terra. A começar pelo campeão. O Corinthians pode não ter demonstrado um futebol vistoso e de muitas trocas de passes, mas é impossível contrariar que foi o time mais organizado de todo o campeonato. Proposta de jogo clara, todos os atletas sabendo exatamente o seu papel de engrenagem para que a máquina toda funcionasse, além de um sistema defensivo muito forte. Nenhum outro time no campeonato conseguiu por um período grande reproduzir o futebol do time de Carille neste sentido.

Fica um ensinamento de tudo isso. A continuidade de um trabalho é fator muito importante para o sucesso. Carille foi um dos poucos treinadores que iniciou e terminou o ano no mesmo clube. Renato no Grêmio (campeão da Libertadores) e Mano Menezes no Cruzeiro (campeão da Copa do Brasil) são outros exemplos. Não pode ser apenas coincidência.

Ainda sobre o Corinthians, há uma filosofia de jogo clara adotada há mais de cinco anos. E isso também conta. Enquanto os principais rivais do Timão trocaram de treinadores e, consequentemente de filosofia, o Corinthians permaneceu fiel (sem trocadilho) às suas convicções, que resultaram em uma baciada de títulos nos últimos anos. Melhor: a torcida corintiana entende claramente esta filosofia e está satisfeita com ela.

Outra lição que este Brasileiro nos traz. Dinheiro não é tudo. Os dois clubes atualmente mais ricos do país naufragaram na competição nacional mais importante do nosso calendário. Trocas de técnicos, elencos recheados mas nem tanto equilibrados. Tudo isso contribuiu para o fracasso em campo de Palmeiras e Flamengo.

O papel de algumas torcidas também é um ponto a se destacar. Se o Corinthians campeão contou com o apoio da Fiel ao longo de todo o Brasileiro, a do São Paulo soube levar no colo um time que, sozinho, não teria forças para sair do lamaçal da zona de rebaixamento. O que fez a torcida tricolor ao longo do Brasileiro é assunto para ser lembrado por anos. É exemplo positivo que uma torcida organizada pode ter orgulho de exaltar.

O novo calendário é um ponto a ser estudado. Com a Copa do Brasil e a Libertadores percorrendo todo o ano, é muito difícil apontar para todas as frentes. Este ano, ninguém conseguiu. Veremos como será daqui para frente.

Para quem acha que o Brasileiro foi de baixo nível, sugiro uma comparação: os estaduais estão aí, vão começar logo no princípio da próxima temporada. Se alguém reclamar que o Brasileiro é ruim, o que esperar do que vem por aí?



  • Thiago Silva

    Acho outras lições que o Brasileiro deu foram:

    – a imprensa cravou Corinthians como a “4ª força” de SP, e no fim um modesto time faturou o título.
    – a imprensa cravou que Flamengo era favorito ao título e Vasco seria rebaixado. Os dois terminaram com a mesma pontuação, com o Fla se saindo melhor por causa do saldo de gols.
    – Posse de bola não é tudo. Corinthians e Grêmio ganharam títulos e como principal característica era o trabalho de posse de bola desses times, Pouco tempo ficaram com ela, mas quando ficavam eram efetivos nas conclusões.
    – Nem sempre ter curso da Uefa torna o treinador excepcional, basta ver Milton Mendes e Fabiano Soares que terminaram o ano desempregados, enquanto o praieiro do Renato Gaúcho vai pra Abu Dhabi.
    – Ter uma campanha regular não significa nada se no momento crítico não se converte em conquista, basta ver que o Botafogo ficou quase todo o campeonato na zona da libertadores e na última rodada terminou fora
    – Ter projetos com um clube não é o suficiente se estes não vão à frente, basta ver que o Sport por pouco não entrou num marasmo em 2018, considerando que no início do ano o discurso era de papar tudo, mas terminou sem ganhar o Pernambucano, Perdeu a Copa do Nordeste e tá fora da próxima edição, não conseguiu vaga na libertadores, nada na copa do Brasil, menos ainda na sul americana e quase foi rebaixado, sendo salvo ao vencer o time reserva já campeão do corinthians.
    – Não é todo refugo que é ruim, basta ver que Grêmio que foi um dos melhores do Brasileiro e campeão da Libertadores, e apesar de ter Luan e Arthur, tinha em seu elenco os execrados Jael o Cruel, Cícero, Bruno Cortez, Leo Moura, Bressan, Cristian, Fernandinho…
    – Jamais subestimar a integridade de um clube, visto que a Chape perdeu praticamente o time todo na ultima temporada, teve de se refazer do Zero, e apesar de muitos cravarem que por causa da condição adversa seria forte candidato a ser rebaixado, foi lá com muita garra e abocanhou a ultima(?) vaga para a libertadores.
    – Uma andorinha pode fazer verão sim, São Paulo fez uma campanha péssima no Brasileiro até a chegada de Hernanes, e ele transformou aquela equipe de modo que conseguissem se salvar do rebaixamento.

  • Mário Luiz A. silva

    Comparar o nível do Campeonato Brasileiro com os Europeu é brincadeira, nossos melhores jogadores; embora nem todos brasileiro que lá estão possam ser considerados os melhores; estão lá. Alem disso, muitos que reclamam do baixo nível de nosso campeonato o fazem por frustração de não ter visto seu time ser campeão. Ainda assim nosso campeonato é um onde a disputa é muito mais nivelada que por exemplo a Espanha, a mais usada como comparativo de nosso futebol, lá só ha dois time disputando, os outros são meros coadjuvantes.

MaisRecentes

Quando a arte valeu mais do que a vitória



Continue Lendo

Futebol ofensivo: todos querem, poucos praticam



Continue Lendo

Segue a tempestade no São Paulo



Continue Lendo