Cuca: o salvador ainda não salvou



A Mancha Alviverde, principal organizada do Palmeiras, divulgou um comunicado nesta terça-feira exigindo a saída de Cuca do comando do clube. Foi a mesma torcida que, meses atrás, entoou o grito de “Olê, olê olê olá… Cuca, Cuca!” no Allianz Parque em uma partida do Campeonato Paulista contra o São Bernardo.

Este comportamento bipolar da organizada teve eco em boa parte da torcida. Voltando ao tempo, seria difícil encontrar um palmeirense que apoiasse a permanência de Baptista no comando, sobretudo se a alternativa a ele fosse Cuca, o treinador que havia conquistado o título brasileiro meses antes e que foi pintado como o único a fazer jogar um time recheado de estrelas, que seria ainda mais forte do que o de 2016.

Mas até aqui o novo time de Cuca não mostrou nada próximo do que o campeã brasileiro de 2016 mostrou. E aqui vale uma análise: o treinador mudou? O elenco mudou consideravalmente? Ou aquilo que foi feito ano passado serviu para um momento específico e, quando as exigências aumentaram de tamanho, foi insuficiente?

Fico com a terceira opção. O Palmeiras de Cuca em 2016 praticou um futebol altamente competitivo no começo do Brasileiro, logo após a eliminação na Libertadores. No segundo turno, o nível caiu, mas não o suficiente para que o time fosse ultrapassado na tabela. Também porque os rivais não desempenharam tão bem ao longo da competição. Enfim, com Gabriel Jesus em estado de graça, Moisés e Tchê Tchê se entendendo bem e Dudu em boa fase, o Palmeiras acabou campeão.

A exigência este ano aumentou. Um time disparou na ponta da tabela e subiu o sarrafo para todos os outros. Para chegar ao título, os rivais teriam que fazer algo parecido e ninguém fez, nem o Palmeiras. Pior: quando houve o encontro entre o Verdão e o Corinthians, ficou nítida a diferença de organização entre os times.

Parece bem claro que mais uma vez a torcida se deixou valer por uma crença que tem pouco valor científico e foi atendida pela diretoria: a de que a volta de um treinador que um dia deu certo faria tudo funcionar novamente.

Novos jogadores, rivais mais qualificados, mais competições disputadas ao mesmo tempo… nada disso foi levado em conta. E por enquanto, Cuca é um fracasso.



  • Edmundo Salgado

    Caro Tironi, esse mal de torcidas e clubes de acreditar que aconteceu no passado vai se repetir é mundial. Veja o Chelsea com Mourinho. Palmeiras já padeceu com Luxemburgo e Felipão. Eu acho a Mancha Verde causadora de centenas de crises no Palmeiras, com seu poder intimidatório. Palmeiras apostou num modelo, que não deu certo até agora. Mas, há a possibilidade de encontrar o rumo fazendo um brasileirão digno. Cuca tem que rever alguns conceitos, errou bastante nesse ano, especialmente nos jogos decisivos. Faço aqui um paralelo: Marcelo Oliveira, super criticado, preparou o Palmeiras para o jogo decisivo contra o Santos na Copa do Brasil de 2015 muito bem. O Santos era superior mas, foi engolido pelo Palmeiras naquela final. E o Palmeiras dentre os grandes tem uma torcida mercurial. Bem, num time de colônia, de uma nação como a Itália que só virou um país há pouco mais de 150 anos, a busca de um entendimento é hiper complicado. No entanto, o Palmeiras de hoje é um clube muito mais forte, e, creio, que deveremos ter uma sequência boa nesses próximos anos. Outra lembrança, nos tempos dourados da Parmalat, o Palmeiras disputou 5 Libertadores e venceu apenas uma.

MaisRecentes

Esqueça o fair play



Continue Lendo

Corinthians já tem o diagnóstico, mas ainda não encontrou a cura



Continue Lendo

Brasileiro agora será disputa psicológica



Continue Lendo