Muita calma com Rueda



Foram 17 gols tomados nas últimas dez partidas, o que dá uma média de quase dois gols por jogo (!!). O sonho da conquista do título brasileiro foi para o espaço e até mesmo a vaga dentro do G6 já não é tão certa assim.

O elenco que foi classificado como um dos mais fortes do futebol brasileiro agora mostra algumas fissuras. Por exemplo: a zaga é formada por jogadores irreparáveis mesmo? Os laterais estão entre os melhores da posição no país?

Amanhã, o Flamengo joga seu destino na temporada: começará a se delinear se o time conquistará ou não um torneio nacional relevante no ano. Fará o primeiro jogo da semifinal da Copa do Brasil contra o confiante Botafogo.

É neste panorama que o colombiano Reinaldo Rueda chega ao Flamengo, com o time no olho do Furacão.

O momento é de ter cuidado com o que vem por aí. Rueda tem ótimos serviços prestados ao futebol nos últimos anos. Transformou o Atletico Nacional de Medellin em uma ótima equipe, que chegou ao seu auge ao conquistar a Libertadores de 2016. Mas este trabalho não foi feito em seis meses. Ele foi resultado de anos da adoção de uma filosofia de jogo trazida por Juan Carlos Osorio e continuada pelo novo técnico do Fla. Neste período, o elenco do Atletico foi quase todo mantido ou reforçado. Quando houve o desmanche, este ano, o desempenho naturalmente caiu e o time não passou nem sequer da fase de grupos do torneio sul-americano em 2017.

Assim que Zé Ricardo foi demitido, Rodrigo Caetano veio a público e disse que a aposta em um estrangeiro deveria levar em conta que os resultados poderão não surgir este ano. A pergunta que se faz é: torcedores e dirigentes estão preparados para mais um ano sem conquistas?

O trabalho que vai começar no Fla pode ser de muito sucesso, mas vai depender de alguns fatores. Entre eles, a paciência e a convicção na escolha estão em primeiro plano.

O comportamento da torcida e dos dirigentes a partir de agora serão tão importantes quanto a presença do colombiano no Ninho do Urubu. Resta saber se torcida e cartolas aceitam pagar este preço.



  • Renato Rasiko

    A diretoria, óbvio, vai ter que ser paciente e resistente à pressão, se houver necessidade. Já a torcida… essa vai ter que engolir em sêco se as coisas não funcionarem a curto prazo, por exemplo, amanhã. Vamos entrar desfalcados de 5 dos nossos melhores jogadores (Guerrero, Éverton Ribeiro, Diego Alves, o pior desfalque, Geuvânio e Rodolfo) e a melhor arma vai ser o sangue nos olhos e a faca nos dentes. Será que eles conseguem?

  • Marcelo Oberst-Geburt

    Difícil o Rueda impor a filosofia de jogo dele tendo 4 laterais horrorosos, péssimos zagueiros e 4 volantes ainda piores. Mas se ele pelo menos puser pra jogar os menos piores do elenco, der algum padrão tático e substituir corretamente já valeu a pena. Até porque no mercado brasileiro não tem nenhum técnico que preste disponível

  • fidutifo

    Vai pegar o trem em movimento; coisa que ja seria uma facanha para um novo treinador brasileiro. Agora vem um treinador hispano que nao tem nenhum conhecimento da maneira como que os jogadores brasileiros jogam. Vai levar um tempao para comecar a entender o modo de jogar de nossos jogadores. Ate la o Flamengo vai descendo, descendo, descendo…..Ai os dirigentes descobrem a sua ignorancia em ter trazido este hispano. Basta olhar a experiencia de outros times brasileiros com tecnico hispanos: colombiano Osorio, Sao Paulo (5 meses – 2015), argentino Bauza, Sao Paulo (7 meses – 2016), argentino Gareca, Palmeiras (4 meses – 2014), argentino Passarela, Corinthians (1 mes – 2005), uruguaio Fossati, Internacional (4 meses – 2010), uruguaio Aguirre, Internacional (8 meses – 2015), etc, etc, etc. E tome dolares – por que estes hispanos nao aceitam reais.

MaisRecentes

A lição de Carille e o que vem por aí



Continue Lendo

Em onze dias, o Brasileiro mudou



Continue Lendo

‘Doping’ estimula jogadores do São Paulo



Continue Lendo