Uma espécie em extinção



Quem já se aventurou em viagens pela África e encarou algum daqueles safáris enlatados sabe que o momento mais emocionante é topar com algum animal selvagem no meio do caminho. Um elefante, um grupo de leões… o supertrunfo de uma situação dessas é encontrar algum felino na caçada, atrás de um antílope, qualquer coisa assim. Cena rara, que rende fotos, filmes, postagens no Youtube, likes no Facebook.

Curioso, porque em tese aquele é o habitat natural dos bichos, mas eles estão cada vez mais sumidos.

No dia 29 de junho o Flamengo jogou contra o Santos na Arena do Urubu. A foto de um senhor negro, de chinelo, roupas simples, viralizou na internet. Só o fato de a imagem ter feito tanto barulho dá a dimensão de quanto ela tem sido excepcional.

A imagem tem nome, sobrenome, idade e endereço: Expedito Adão, 79 anos, morador de Coelho Neto, bairro da zona norte do Rio de Janeiro e Rubro-negro há mais de 60 anos, quando não existiam programas de sócio-torcedor, planos de fidelidade e o cartão de crédito ainda não havia chegado ao Brasil

A presença de Seu Expedito dentro do estádio foi encarada como se encara a chegada de um simpático guaxinim na casa de campo, flagrado na área de serviço. Que bonitinho, que mansinho, que fofinho…

Tipos como o Seu Expedito são bem-vindos, desde que tenham acesso ao estádio através de uma cota gratuita para idosos, que sejam sócio-torcedores, que paguem seu ingresso (caro) ou que recebam alguma doação de um torcedor de coração mole. Aí eles funcionam como um atrativo exótico na arquibancada.

Se não for assim não dá, como revelou o ex-presidente do Atlético Mineiro Alexandre Kalil em uma frase duramente sincera. “Futebol não é coisa para pobre.” Justificou-se dizendo que os clubes precisam manter elencos fortes e só fazendo muito dinheiro conseguem.

Houve um tempo em que o futebol também era para pobre. Hoje, os estádios são como safáris enlatados. Paga-se caro e, com sorte, alguma espécie em extinção estará lá para ser fotografada.



  • Carlos

    Brilhante…

MaisRecentes

Quando a arte valeu mais do que a vitória



Continue Lendo

Futebol ofensivo: todos querem, poucos praticam



Continue Lendo

Segue a tempestade no São Paulo



Continue Lendo