Treinador x Jogador



Pep Guardiola concedeu uma entrevista exclusiva para o repórter João Castelo Branco da ESPN Brasil segunda-feira. Foi perguntado sobre o tempo mínimo que um treinador necessita no comando de um clube para que seu trabalho possa ser avaliado.

A resposta surpreendeu:

– Isso não existe. Aqui, se perde te demitem.

O repórter insistiu.

-Mas qual seria o tempo mínimo? Dois meses?

-Dois meses não é possível avaliar nada, não há tempo para se fazer nada, definitivamente.

Sobre tempo, foi o máximo que o ótimo repórter conseguiu extrair do treinador. Mas Pep em seguida deu outra declaração, preciosa, que deveria ser analisada por dirigentes e treinadores brasileiros.

-Quando um dirigente contrata um treinador, tem que pensar bem. E tem que ver o que os jogadores estão falando sobre o treinador. Se a relação entre treinador e jogadores não for boa, tem de trocar. Se a relação for boa, tem de dar o máximo de tempo.

Está aí, talvez, umas das chaves do sucesso de um técnico de futebol (não a única) e de qualquer outra modalidade. A relação entre comandante e comandado.

Você que gosta de futebol já ouviu muito mais de uma vez histórias de times que “derrubaram” treinadores. Custo a acreditar que um time jogue para perder, mas acredito muito que vitória e derrota passem a ser indiferentes para jogadores, dependendo do tipo de comando a que são submetidos.

Com tantos treinadores iniciantes ou com pouca experiência que estão no comando de times grandes neste Brasileirão, esta será uma observação interessante a ser feita. Comportamento em campo, entrevistas, as informações escondidas nas entrelinhas das entrevistas… todos estes detalhes serão ingredientes importantes para se analisar como o trabalho está sendo desenvolvido.

Conhecimento teórico é apenas uma parte (bem importante, é verdade) do trabalho de um treinador. A forma como passar conhecimento para o atleta e uma boa dose de sedução também são fundamentais para o sucesso. Guardiola que o diga. Obcecado pelo trabalho, já acordou nada menos do que Messi no meio de uma madrugada para passar orientações táticas para um jogo. A orientação foi acatada.



MaisRecentes

Futebol ofensivo: todos querem, poucos praticam



Continue Lendo

Segue a tempestade no São Paulo



Continue Lendo

Lições do Brasileirão



Continue Lendo