Ainda é cedo para tudo



Os estaduais estão chegando ao fim (aleluia!). Muita gente ficou pelo caminho e as análises sobre elencos e treinadores começam a pipocar. Tal treinador está indo bem? Tal elenco é bom mesmo? Mas a pergunta mais difícil a ser respondida é: “quando o trabalho de um time (e de um treinador) pode começar a ser avaliado?”

Hoje, terça-feira, 25 de abril de 2017, dá para dizer que Carille vai bem, Mano Menezes também. Os dois são finalistas dos estaduais de São Paulo e Minas Gerais. Mano ainda segue vivo na Copa do Brasil.

Rogério Ceni está sob a mira dos críticos. Eduardo Baptista também e até o atacante Borja, que ainda não entregou o que se imaginava.

O Inter de Antonio Carlos segue vivo no Gaúcho e Copa do Brasil, mas as duas classificações vieram após disputas de pênaltis.

Grandes times do futebol brasileiro disputaram campeonatos diferentes (os estaduais) e pouco se encontraram em confrontos diretos nos torneios em que outros grandes estão (Copa do Brasil e Libertadores). Portanto, a base de comparação é muito contaminada. Ainda assim, já existem análises (precipitadas) do potencial de cada um.

Um ano? O fim do primeiro turno do Brasileiro? Agora? Quando será possível saber se o trabalho de Eduardo Baptista é bom e vai dar frutos? O mesmo vale para Roger Machado, Rogério Ceni… e todos aqueles que começaram em janeiro de 2017.

O futebol brasileiro nos últimos anos está repleto de exemplos de campeões estaduais que fracassaram no Brasileiro. O Vasco talvez seja o grande último exemplo. Não é só porque os estaduais não são a base de análise definitiva, mas porque há o amadurecimento de um trabalho que pode demorar mais, menos ou nem acontecer. Ou ainda o ápice de um time pode chegar muito cedo.

Há ainda um outro ponto. Cada vez mais se sabe menos do que acontece dentro dos clubes durante a semana. Treinos são fechados, análises de desempenho não são reveladas à imprensa e ao torcedor. Quem pode garantir que o fracasso de um time é definitivo ou que a construção de uma equipe ainda está em andamento?

São muitas perguntas, dúvidas e incertezas para análises definitivas. Os sobreviventes até aqui merecem comemorar o ponto aonde chegaram. Os derrotados podem respirar fundo e pensar que ainda há muito pela frente.



  • Henrique Cassimiro

    E tempo vai nos responder. …

  • Bruno Giosa

    Dá para dizer que Carille vai bem? Mesmo? Você tem assistido aos jogos do Corinthians? Foi o time de pior campanha entre os 4 grandes e não só em números, mas também em futebol apresentado. Pode até estar dando certo o esquema de fazer um gol e não tomar nenhum enquanto enfrenta times fracos. Porém, a coisa muda no Brasileiro (já não deu certo na Copa do Brasil).
    E, se você acredita mesmo que ele está fazendo um bom trabalho, o que estaria fazendo Gilson Kleina, que nem foi citado na matéria? Afinal, ele usa o mesmo esquema de Carille e até por isso essa deve ser uma das finais mais chatas que o campeonato Paulista já teve.
    E por último, acho que já está cansativa essa mania de colocar os Estaduais como a coisa mais chata que existe. Não é. Muito pelo contrário, é um ótimo momento para os times se acertarem para os campeonatos maiores. Resta aos times saberem usar esse momento.

  • Armando Pittigliani

    Como sempre, a imprensa paulistana continua ignorando o time do Abel. E vc, querido Tironi, não é exceção. Se há um time no Brasil que tenha partido do zero e chegado a ponto que está, com apenas três contratações (Orejuela, Sornosa e o lateral Lucas), esse é o tricolor das Laranjeiras. Graças – 90% – ao trabalho de Abel Braga, que se aproveitou da ótima safra de moleques de Xerém. Aconselho a vc e demais jornalistas paulistas a estudarem a trajetória do nosso Flu em 2017. Nas duas derrotas do ano, estava com o time quase inteiramente reserva. E, além disso prejudicado seguidamente pela atuação de bandeirinhas e árbitros….Além do que, com longas viagens imprevistas nos intervalos (curtos) das muitas partidas.
    Um exemplo bizarro do desacerto das arbitragens foi o gol impedido que o Bota marcou contra o nosso time (reserva). Como a televisão flagrou, tinham cinco jogadores na banheira!, O bandeirinha (ir) responsável pelo “engano”, após o jogo, teve a “cara de pau” de adentrar o vestiário do Flu para pedir desculpas aos jogadores e ao Abel!…. Enfim, se vcs perderem um pouco do V. precioso tempo, assistindo ao novo “FLUABELÃO”, tenho certeza que não se decepcionarão!… Valeu!… Forte abraço!

  • Plínio

    Como eu digo, os estaduais há muito tempo deixaram de ser, se é que um dia já foram, parâmetro para uma análise do potencial de um time para o restante da temporada e na disputa dos títulos que realmente importam. Um exemplo? O Palmeiras, a exemplo de agora, também fracassou no Paulista do ano passado, levantando em muitos a suspeita de que aquele seria um ano perdido. E quem é o atual campeão brasileiro mesmo?

MaisRecentes

Esqueça o fair play



Continue Lendo

Corinthians já tem o diagnóstico, mas ainda não encontrou a cura



Continue Lendo

Brasileiro agora será disputa psicológica



Continue Lendo