Acabou a moleza



Até poucos anos atrás o começo da temporada derrubava treinadores. Agora, ela derruba menos. Entre os maiores clubes do futebol brasileiro, apenas o Vasco se mexeu ao trocar Cristovão por Milton Mendes.

Mas isso não significa que o emprego dos técnicos têm sido mais respeitados por cartolas. Porque o que acontece é que qualquer fracassso no começo do ano acaba sendo arrastado ao longo da temporada. O primeiro sinal de que as coisas não vão bem no Brasileiro, por exemplo, acaba sobrando para o treinador que já fracassou na temporada.

Os estaduais estão entrando em sua fase decisiva, a Copa do Brasil já terá confrontos em que gigantes obrigatoriamente ficarão pelo caminho e a Libertadores vai caminhando para a definição dos classificados da primeira fase. A pressão aumenta e não tem mais treinador seguro no cargo, salvo raras exceções.

O Rubro-Negro ainda dá seu crédito ao trabalho de Zé Ricardo. O time está classificado para as semifinais do Estadual, embora a eliminação para o Vasco na Taça Rio tenha sido dolorida, mais até pelo que o time não tem entregado em campo ultimamente. Mas qualquer coisa que não seja uma vitória contra o Furacão amanhã pela Liberta resultará em mais pressão.

O corintiano ficou mais feliz pela classificação às semifinais do Paulista do que pela forma como o time tem se comportado. Pouco perigoso no ataque, muito seguro na defesa. A pergunta é se este jogo vai garantir paz para Carille se uma eliminação surgir. Enquanto o time avança, tudo se tolera.

Rogério Ceni ainda conta com o total apoio da torcida são-paulina. Natural imaginar que este ano nenhum título venha, afinal é o primeiro de sua carreira como treinador. Mas uma eliminação na semifinal do Paulista já deixará o treinador um pouco menos seguro no cargo do que começou o ano.

O Palmeiras parece nadar em águas mais do que calmas. O time tem jogado bem, está classificado para as semis do Paulista e caminha tranquilo também na Libertadores. Mas Guerra foi mais do que sincero ao declarar nesta seginda que qualquer coisa que não seja o título do torneio sul-americano deve ser encarado como fracasso. Ou seja, ninguém terá vida mansa a partir de agora.



MaisRecentes

A obsessão pelo prêmio de melhor do mundo



Continue Lendo

Satisfeitos com pouco



Continue Lendo

Calma, Corinthians!



Continue Lendo