A hora do gol



A bola se ofereceu limpa, quicando, perfeita para o arremate. Sem obstáculos até o gol, goleiro batido, zagueiros deixados para trás, era só encher o pé, ouvir o “tuuufff” da redonda batendo na rede, ouvir o urro enlouquecido da torcida e partir para o abraço.

Naquele décimo de segundo seu cérebro trabalhou freneticamente. Buscou memórias, refez o caminho que o trouxera até aquele momento máximo da sua vida. Lembrou da primeira bola que ganhou do Papai Noel quando tinha quatro anos. De como não largava a bichinha por nada. Dormia com ela. Lembrou das primeiras partidas, lembrou de como encarou caras muito maiores do que ele nas peladas na rua, depois na várzea. Lembrou dos pais que se dividiram entre apostar no sonho quase impossível do filho ou fazer marcação cerrada para que ele estudasse e tivesse algum futuro garantido.

Lembrou da peneira em que foi reprovado, de como chegou em casa sem saber como explicar o fracasso para a família e de como chorou quando o pai dobrou a aposta e deu abertura para ele seguir tentando.

Lembrou, claro, de quando foi aprovado no clube, dos primeiros treinos, do primeiro jogo, dos gols nas categorias de base, do dia em que o técnico do time principal o chamou num canto e mandou ele concentrar com o time principal.

Durante semanas ele pensou em tudo o que poderia fazer após o gol. Soco no ar? Melhor não imitar ninguém. Dancinha? Nada a ver, estou só no começo da carreira, não é hora de provocação. Escorregar de joelhos no chão e esperar o bolinho dos companheiros? Muito exagero. “Engraxar” a chuteira do cara que deu o passe? E os outros, como ficariam? Tirar a camisa? Ter outra por baixo agradecendo alguém? Melhor não. Correr em direção ao banco para abraçar o técnico? Melhor não. Mirar a escada de emergência do estádio, ir correndo alucinado para os braços da torcida?

A bola ainda estava lá, apenas esperando o golpe fatal. Era o desfecho de uma história de sacrifícios recompensados. Mas ele chutou para fora de propósito. Não quis manchar a carreira logo de cara com uma punição.



MaisRecentes

Palmeiras: o time que não pode perder



Continue Lendo

Só punição pode acabar com a cafajestagem



Continue Lendo

Ainda é cedo para tudo



Continue Lendo