Aprendizado



Como escrevi há algumas semanas neste mesmo espaço, os técnicos dos três times da capital paulista disputam uma corrida involuntária nesta temporada. O sucesso de um, imediatamente pressiona os rivais.

O futebol ofensivo apresentado pelo São Paulo até então colocava o treinador tricolor um pouco à frente dos rivais. A ousadia era elogiada, virou o “time mais legal de se ver”. O clássico de sábado tratou de reconstruir as expectativas. E não se espante, leitor, será assim até o fim da temporada.

Palmeiras 3 x 0 São Paulo deve também ser visto como o jogo em que Eduardo Baptista deu as cartas do começo ao fim. Talvez tenha sido a melhor atuação do treinador desde que assumiu o comando do Verdão. Ao final, ele explicou detalhadamente como planejou a estratégia: “eu sei que quando o São Paulo toca a bola na intermediária ofensiva é letal. Então eu empurrei a marcação e forcei para que a troca de passes acontecesse na intermediária defensiva.” Bingo! Desta forma a bola foi roubada no lance do golaço de Dudu. Outros gols de roubada de bola não saíram por mero detalhe.

O resultado do clássico e a maneira como ele foi construído coloca neste momento Eduardo Baptista um pouco à frente nesta corrida que será definida mesmo apenas ao fim da temporada, mas que as atualizações rodada a rodada são interessantes.

Da parte do São Paulo, esta pode ter sido a primeira aula prática que o novo treinador são-paulino tem. Esqueça a derrota para o Audax, primeiro jogo do campeonato e ainda muita coisa a ser feita. O clássico de sábado mostrou a Ceni que os rivais estarão sempre buscando antídotos para o jogo ofensivo que o treinador decidiu implantar por filosofia. Eduardo Baptista encontrou uma fórmula que funcionou muito. O São Paulo pouco fez na partida além de tentar se defender.

Ainda estamos nas primeiras voltas da tal corrida de treinadores. No clássico, o Palmeiras mostrou que o carro é ótimo, dificilmente quebra, tem combustível para a corrida toda e um piloto que pode ser exigido. O São Paulo tem um carro longe do ideal e um piloto corajoso, mas que começa agora na carreira e já percebeu que pode tomar fechadas inesperadas.



MaisRecentes

Posse de bola ‘suicida’



Continue Lendo

Campanha do Corinthians é um tapa na cara geral



Continue Lendo

Eficácia no Brasileirão



Continue Lendo