Boas entrevistas à vista



A temporada 2017 poderá ser rica em declarações interessantes neste ano. Pelo perfil de alguns dos personagens que estarão em evidência em nossos gramados, o ano promete e é bom que os jornalistas estejam muito bem preparados para o que vão ouvir e como irão contestar.

Algumas entrevistas na pré-temporada já deram o tom do que é esperado. A apresentação de Rogerio Ceni, por exemplo, foi bem interessante. Ele falou claramente sobre métodos, como quer seu time, perfil de jogadores… a impressão é a de que vai gostar de discutir o jogo com jornalistas.

O mesmo vale para as ótimas primeiras palavras de Eduardo Baptista, que comandará o Palmeiras. Perguntado sobre jogadores especificamente, detalhou como espera cada um jogando, a faixa de campo que entende que cada um renda mais. É raro ouvir isso de nossos professores.

Dentro de campo teremos bons “duelos” também. Felipe Melo vem aí e já deu alguns aperitivos nas mídias sociais antes mesmo de ter seu anúncio oficializado. Ele já discutiu com torcedores rivais, com jornalistas e, ao que tudo indica, não vai aceitar críticas sem responder à altura.

Felipe Melo é um caso interessante. Trata-se de um apaixonado pelo jogo e não só por jogar. Sabe debater modelos, táticas, formato… sempre que perguntado sobre estes aspectos, a conversa ficou boa. A questão é que no caso dele o assunto prioritário é sempre sobre seu futebol viril. Não que isso não deva estar na pauta, pelo contrário. Mas ele tem mais o que dizer nas entrevistas.

Roger Machado, agora no Galo, também é promessa de boas entrevistas, desde que os entrevistadores estejam interessados em falar do jogo. O mesmo vale para o corintiano Fabio Carile e o rubro-negro Zé Ricardo.

As entrevistas coletivas pré e pós-jogos ao longo dos anos foram marcadas, raras exceções, por um desfile de obviedades, por declarações abrangentes demais e reveladoras de menos. Quase que uma burocracia para entrevistadores e entrevistados.

Em 2017 isso pode mudar. Os personagens a serem ouvidos parecem querer falar. Os jornalistas têm uma missão a cumprir



MaisRecentes

Futebol ofensivo: todos querem, poucos praticam



Continue Lendo

Segue a tempestade no São Paulo



Continue Lendo

Lições do Brasileirão



Continue Lendo