Sempre vamos exigir mais da Seleção



O adversário da vez era um dos mais fracos desta eliminatória. E facilitou muito as coisas ao praticamente entregar um gol logo nos primeiros minutos de jogo. Gabriel Jesus soube aproveitar muito bem o presente dado pelo goleiro Dani Hernández e com uma linda cobertura abriu o placar contra a Venezuela.

Mas o primeiro tempo não passou disso, o que acabou sendo frustrante. O Brasil até rondou a área adversária, mas pareceu sem fome para fazer gols, preferindo uma incessante troca de passes que se mostrou pouco efetiva. Para não dizer que as coisas estavam tão fáceis assim, vale ressaltar que o gramado do estádio estava muito ruim e a chuva tratou de deixar as coisas um pouco piores.

Sem Neymar em campo, a expectativa era a de como o time iria se comportar. Mas ficou difícil avaliar o quanto o principal jogador fez falta, uma vez que o time pareceu não se interessar em testar seus limites. E como o rival pouco dava trabalho, o jogo acabou ficando morno demais.

E aqui chegamos em um “problema”, curiosamente fruto do sucesso do começo do trabalho de Tite. Depois de três vitórias em três jogos, sendo a última com uma goleada e bom futebol, esperava-se muito mais da Seleção. Como se menos do que se viu até agora fosse considerado pouco.

A invencibilidade e a liderança são importantes e o torcedor brasileiro está muito satisfeito com tudo isso. Mas da Seleção sempre se exige mais do que a vitória. Da Seleção de Tite certamente isso será cobrado porque a primeira impressão passada é a de que ela poderá entregar. Além disso, há uma carência de bom jogo instalado no coração do torcedor.

Os números indicam o ótimo momento: neste começo de trabalho, a Seleção Brasileira de Tite tem desempenho melhor do que o início do lendário time de Telê Santana em 1980: são quatro vitórias em quatro jogos (o Brasil de Telê ganhou três e perdeu a quarta partida disputada). Mas da Seleção Brasileira sempre se exigirá mais. Nem mesmo saber que a Argentina perdeu em casa para o Paraguai e começa a se complicar nas Eliminatórias diminui a cobrança sobre o time brasileiro.



MaisRecentes

Waldir Peres foi um herói improvável



Continue Lendo

A nova moda dos técnicos



Continue Lendo

Trabalhos incompletos favorecem jogo reativo



Continue Lendo