Corinthians: 2017 começa agora



Você não precisa ser um gênio para perceber que a previsão feita por Andrés Sanchez há alguns poucos anos não vai se realizar: o Corinthians em 2016 não é o clube mais poderoso do mundo.

Ao que tudo indica, o curto período de vacas gordas passou e a realidade mostra um mundo bem diferente daquele planejado pelos cartolas corintianos em que o estádio seria pago em dez anos e os naming rights seriam vendidos por cifras milionárias em um piscar de olhos.

O que temos é uma dívida incômoda. A ponto de o atual presidente Roberto de Andrade mudar seu discurso radicalmente. Se em 2015 ele foi a canais de TV dizer que não havia problema nenhum em dever salários, hoje a conversa é a de que não se pode gastar mais do que se arrecada.

Foram erros graves de administração que começam a cobrar a conta agora. Verdade que neste período o clube conquistou tudo dentro de campo e ainda viu se transformar em realidade o sonho do estádio (o preço desta brincadeira começamos a saber agora).

O torcedor corintiano deve estar satisfeito com a parte boa disso tudo, mas sábado em Itaquera virou as costas para o jogo para criticar a diretoria que estava acomodada em um camarote acima da arquibancada.

Financeiramente é difícil prever o que será do Corinthians em um futuro próximo. Mas há uma chance de um acerto na administração do futebol que pode ser dado agora e que poderá ser um grande legado dos cartolas que estão no comando do clube neste momento. Trata-se de tratar o fim de 2016 como o início de 2017. Isso: 2017 deve começar agora.

O novo treinador deve ser escolhido agora, iniciar seu trabalho, indicar os reforços que pretende. Um erro bastante comum dos clubes brasileiros é começar a pensar como será o ano seguinte só depois que os rojões do reveillon estouram. Quando o certo é pensar desde antes. Muitas vezes o resultado disso é demissão de treinadores nem bem terminou os falidos estaduais.

A possibilidade está aí. Se o Corinthians não pode voltar no tempo e avisar Andrés Sanchez que sua previsão era completamente descabida e se também não é possível voltar atrás e ter um estádio menos caro, ao menos está nas mãos da diretoria planejar bem 2017. E a partir de já.



  • Charles Ubiratan

    Paguem o que devem, e sem bufar.

MaisRecentes

Waldir Peres foi um herói improvável



Continue Lendo

A nova moda dos técnicos



Continue Lendo

Trabalhos incompletos favorecem jogo reativo



Continue Lendo