Ingresso barato nos jogos da Seleção. Pense nisso, CBF!



Há anos o torcedor vive um processo de afastamento da Seleção Brasileira. E os motivos são muitos: a equipe nacional passou a jogar muito mais fora do país do que dentro, alguns times nem de longe empolgaram a torcida, a imagem da CBF é a pior possível e isso de alguma forma traz uma certa ntipatia…

Uma certa reaproximação aconteceu na Copa das Confederações de 2013, mas foi pulverizada após os 7 a 1 um ano depois. Como se não bastasse, o treinador chamado para comandar o time depois disso foi o menos indicado possível para fazer a ligação com a arquibancada: Dunga. Mal-humorado, sempre a procura de um inimigo e adepto do futebol em que o resultado e só ele é o que interessa.

Tite conseguiu quase um milagre. Quando assumiu, imediatamente houve um sopro de esperança na volta dos bons tempos. O primeiro jogo, contra o Equador em Quito, não poderia ter desfecho melhor: vitória com autoridade. O laço se refez. Torcida, imprensa… todo mundo tem se empolgado com a nova fase do time nacional.

Havia uma grande oportunidade no jogo de terça-feira contra a Colômbia para apertar mais este laço. Partida em Manaus, em estádio da Copa do Mundo… uma grande chance estava ali. Era o momento de levar o povo para o estádio, com ingressos acessíveis. Mas a CBF fez exatamente o contrário. O preço médio do bilhete foi de R$ 160. Resultado: a arena não encheu.

Milionária, embora tenha perdido alguns de seus patrocínios importantes ultimamente, a CBF poderia bancar a presença do torcedor mais pobre ontem e em todos os jogos em casa das eliminatórias. Dinheiro ela tem de sobra para isso. Afinal, arrecada muito e produz nada. Mas preferiu colocar os valores lá no alto, sabe-se lá com qual intenção além de lucrar muito.

O valor intangível que a CBF arrecadaria trazendo a Seleção de volta aos braços do povo seria muito maior do que qualquer arrecadação que ela tivesse na bilheteria. Porque, além de tudo, passaria uma imagem de simpatia, que definitivamente hoje ela não tem.

Em um momento em que vários clubes afastam torcedores mais pobres do estádio, a CBF poderia fazer o contrário. O time brasileiro, ao menos ele, teria novamente o povo na arquibancada. Ainda tem muito jogo em casa pela frente. Fica a dica!



MaisRecentes

São Paulo é como uma obra que nunca acaba



Continue Lendo

Brigões não se importam



Continue Lendo

Os sinais que os números dão ao Corinthians



Continue Lendo