Ganso: uma eterna obra inacabada



O presidente do São Paulo não anunciou com todas as letras, mas deixou bem claro que Ganso está negociado com o Sevilla. A não ser que o improvável ocorra hoje em Medellin, o jogador não vestirá mais a camisa do Tricolor. O último desejo de Leco é o de que o maestro esteja em campo na final da Libertadores, o que seria uma alegria dupla: ter o time na decisão e com uma despedida digna para o jogador.

Mas se o improvável não acontecer Ganso vai embora da mesma forma que foi a sua carreira até hoje: sem um momento estupendo, que lave a alma de uma torcida por todo o sempre. Aquela cena que redime a imagem de qualquer figura.

Embora tenha participado da campanha da conquista da Libertadores, Neymar era a imagem daquele Santos de 2011. Ganso brilhou e muito na decisão de um Campeonato Paulista. O desempenho do jogador naquele torneio foi maior do que a importância do próprio campeonato.

No São Paulo a situação é parecida. Ninguém contesta que seu futebol vem crescendo desde a sua contratação a ponto de ele chegar em 2016 no seu melhor momento com a camisa tricolor. Mas ele não ficará marcado na história do clube com uma grande conquista, mas por alguns muitos lampejos geniais.

A carreira toda de Ganso foi assim. A expectativa sempre esteve à frente, o que chega a ser uma injustiça com o jogador. A impressão que se tem é a de que por mais que ele jogue, mais vai se esperar dele, numa perseguição infinita em busca da perfeição.

Neste sentido, o Sevilla de Sampaoli pode ser um bom destino. O treinador é um dos melhores do mundo e quis contar com o camisa 10. Tem planos ambiciosos para ele.

Para que finalmente brilhe com intensidade máxima e levante taças como protagonista (que é a forma como um jogador fica marcado) Ganso vai precisar de: 1) uma dose de humildade para entender que ainda tem o
que aprender. 2) uma dose de paciência, para não esmorecer se a pressão por desempenho foi maior do que ele pode entregar.

No São Paulo Ganso foi importante mas, como em toda a sua carreira, sai com uma impressão de obra inacabada. Quem sabe no Sevilla, na Europa que sempre sonhou, ele finalmente chegue ao seu máximo.



MaisRecentes

Só punição pode acabar com a cafajestagem



Continue Lendo

Ainda é cedo para tudo



Continue Lendo

Nove verdades (ou não) e uma mentira (ou não) do mundo do futebol



Continue Lendo