Ganso: uma eterna obra inacabada



O presidente do São Paulo não anunciou com todas as letras, mas deixou bem claro que Ganso está negociado com o Sevilla. A não ser que o improvável ocorra hoje em Medellin, o jogador não vestirá mais a camisa do Tricolor. O último desejo de Leco é o de que o maestro esteja em campo na final da Libertadores, o que seria uma alegria dupla: ter o time na decisão e com uma despedida digna para o jogador.

Mas se o improvável não acontecer Ganso vai embora da mesma forma que foi a sua carreira até hoje: sem um momento estupendo, que lave a alma de uma torcida por todo o sempre. Aquela cena que redime a imagem de qualquer figura.

Embora tenha participado da campanha da conquista da Libertadores, Neymar era a imagem daquele Santos de 2011. Ganso brilhou e muito na decisão de um Campeonato Paulista. O desempenho do jogador naquele torneio foi maior do que a importância do próprio campeonato.

No São Paulo a situação é parecida. Ninguém contesta que seu futebol vem crescendo desde a sua contratação a ponto de ele chegar em 2016 no seu melhor momento com a camisa tricolor. Mas ele não ficará marcado na história do clube com uma grande conquista, mas por alguns muitos lampejos geniais.

A carreira toda de Ganso foi assim. A expectativa sempre esteve à frente, o que chega a ser uma injustiça com o jogador. A impressão que se tem é a de que por mais que ele jogue, mais vai se esperar dele, numa perseguição infinita em busca da perfeição.

Neste sentido, o Sevilla de Sampaoli pode ser um bom destino. O treinador é um dos melhores do mundo e quis contar com o camisa 10. Tem planos ambiciosos para ele.

Para que finalmente brilhe com intensidade máxima e levante taças como protagonista (que é a forma como um jogador fica marcado) Ganso vai precisar de: 1) uma dose de humildade para entender que ainda tem o
que aprender. 2) uma dose de paciência, para não esmorecer se a pressão por desempenho foi maior do que ele pode entregar.

No São Paulo Ganso foi importante mas, como em toda a sua carreira, sai com uma impressão de obra inacabada. Quem sabe no Sevilla, na Europa que sempre sonhou, ele finalmente chegue ao seu máximo.



MaisRecentes

Waldir Peres foi um herói improvável



Continue Lendo

A nova moda dos técnicos



Continue Lendo

Trabalhos incompletos favorecem jogo reativo



Continue Lendo