É dura a vida do técnico emergente



As profissões são as mesmas, mas o nível de tolerância com um ou outro profissional é muito diferente. Falo dos treinadores do futebol brasileiro. Os maiores clubes do país estrearam nos estaduais. Quatro deles não venceram: Flamengo, Fluminense, Cruzeiro e São Paulo. Mas a pressão sobre os técnicos de cada um dos times é muito diversa.

É muito difícil defender Eduardo Baptista neste momento. (lembre-se que, dos grandes, o Flu foi o único a perder na sua estreia). Mas não foi a derrota para o Volta Redonda que provocou a bronca da torcida. Ela só aumentou um sentimento que vem sendo criado desde 2015, quando o Fluminense terminou o Brasileirão como o pior time do segundo turno. Os jogos disputados até aqui em 2016 também contribuíram para a má avaliação. Foram três derrotas até agora e, pior, muito pouca organização em campo.

O filho de Nelsinho Baptista, que largou o Sport Recife para encarar o que ele considerou “o meu prato de comida”, vive dias complicados nas Laranjeiras. Seu desempenho é o pior de um treinador do Tricolor em sete anos. Por muito menos do que isso, os três últimos comandantes caíram. Coincidência ou não, todos eles não eram medalhões (Cristovão Borges, Ricardo Drubsky e Enderson Moreira).

Aí entra um ponto importante (e não é o caso de relativizar o mau desempenho de Eduardo). Por ainda não ser um treinador consagrado, é mais fácil a pressão chegar e se instalar. O São Paulo de Bauza empatou com um pequeno, o Fla de Muricy também. Não há cornetas soando no Morumbi e na Gávea, e claro que seria um absurdo se isso acontecesse.

Mas pelos lados da Toca da Raposa já há um som metálico ao fundo. O Cruzeiro de Deivid empatou em casa com a URT. A desconfiança sobre o nome do treinador que inicia sua carreira em um gigante do futebol brasileiro já apareceu.

É justo que a história de um treinador seja colocada na balança no momento de se analisar um trabalho. Os títulos de Muricy e de Bauza entram na mistura de ingredientes que forma a paciência da torcida e diretoria de um clube.

Injusto é fazer uma aposta e não apostar nela. Eduardo Baptista sofre com os maus resultados e a falta de calma. Deivid nem teve resultados ruins ainda.



MaisRecentes

São Paulo é como uma obra que nunca acaba



Continue Lendo

Brigões não se importam



Continue Lendo

Os sinais que os números dão ao Corinthians



Continue Lendo