Itaquera viveu tarde de “Campeonato Espanhol”



Fala-se muito sobre a espanholização do futebol brasileiro, que seria representada por dois times muito fortes surrando coadjuvantes no campeonato. Ela pode não acontecer por aqui nos próximos anos por várias razões: não podemos duvidar da incompetência de dirigentes. E o esporte bretão nem sempre espeita o que está nos manuais da boa administração.

Mas vamos esquecer questões financeiras por um momento e se ater ao que aconteceu em 2015 no Brasileiro e mais precisamente neste domingo em Itaquera. Se fora de campo o Timão atrasou salários e nem de longe é exemplo de administração (muito pelo contrário), dentro foi campeão e, nos números, é melhor em tudo.

No jogo deste domingo, entrou em campo com reservas e surrou de maneira histórica e humilhante nada menos do que o quarto colocado e que ainda tem interesse na competição. Sem falar no fato de ser um dos principais rivais corintianos.

A diferença de organização, posicionamento e garra de um e outro time diluiu completamente as importantes ausências do Corinthians. A goleada construída ainda no primeiro tempo resumiu bem a distância que separa um time de outro. Ela é imensamente maior do que as posições que ocupam na tabela.

Há anos na Espanha, Barcelona e Real Madrid tratam os adversários como sacos de pancada. Na Alemanha o Bayern de Guardiola faz o mesmo com seus pobres rivais. As distâncias destes times para o quarto colocado de seus campeonatos são muitas vezes oceânicas.

O Corinthians (reserva e já campeão, é sempre bom lembrar) fez do São Paulo neste domingo nada mais do que um sparring. E estamos falando de um time que, entre outras glórias, também é hexacampeão brasileiro.

Diante do que foi o ano são-paulino, o time chegar a esta altura do campeonato e ainda brigar por uma vaga na Libertadores é praticamente um milagre. A maior goleada sofrida contra o rival em brasileiros, entretanto, mancha definitivamente o ano, os jogadores que estiveram em campo, o treinador diretoria, mesmo que ela tenha assumido as rédeas há pouco tempo.

Diante de todos os outros treinadores brasileiros, Tite parece até um Guardiola. Diante do São Paulo neste domingo, o Corinthians pareceu o Barcelona encarando um Getafe da vida. Podemos não viver uma espanholização. Mas os 6 a 1 deram a impressão de Campeonato Espanhol, dada a diferença entre os times.



MaisRecentes

O treinador invisível



Continue Lendo

O recado é: simular falta funciona!



Continue Lendo

Eles querem ter a posse de bola



Continue Lendo