Classificação foi o menos importante para a Seleção hoje



Ninguém tinha dúvida de que o Brasil ia se classificar. Enfrentando um rival indecente de ruim, a Seleção tinha que ter uma atuação mais do que desastrosa e ainda esperar um empate entre Croácia x México para ver ruir o sonho do hexa.

Portanto, a classificação era o que menos importava no jogo desta segunda-feira, porque afinal, ela viria de qualquer maneira.

Há um ponto muito bom que sai do jogo de hoje. Paulinho saiu e Fernandinho entrou. A não ser que Felipão enxergue algo que nenhum humano enxerga, não há possibilidade de o volante do Tottenham voltar ao time titular. A dinâmica do jogo brasileiro mudou muito de um tempo para o outro. As ligações diretas defesa/ataque deram lugar a jogadas que passavam mais pelo meio-de-campo.

Outro ponto bom não é novidade: Neymar. É o craque, o desafogo quando o time está na pior. É quem sempre tem um coelho na cartola.

A parte ruim: o primeiro tempo da Seleção foi um desastre em vários sentidos. Primeiro o óbvio: a falta de jogadas no meio-de-campo e de gente que possibilitasse isso. A segunda as laterais do time, muito frágeis defensivamente.

A classificação era o de menos contra Camarões. Mata-mata é outro campeonato.



MaisRecentes

A lição de Carille e o que vem por aí



Continue Lendo

Em onze dias, o Brasileiro mudou



Continue Lendo

‘Doping’ estimula jogadores do São Paulo



Continue Lendo