Somos um povo bipolar



Curiosa a transformação que aconteceu na opinião pública em pouco mais de uma semana. Antes de a Copa das Confederações começar, a população estava em silêncio, aparentemente satisfeita e o país era um oásis de prosperidade em um mundo mergulhado na crise. Enquanto isso, a Seleção Brasileira tentava se reconstruir, mas ainda não tinha um só resultado que arrancasse suspiros da torcida ou da mídia especializada. O time de Felipão só teria chance de ganhar alguma coisa contando com boa dose de sorte. Era um clima de, no mínimo, desesperança.

Só que aí tudo mudou: o país entrou em ebulição, todo mundo saiu do Facebook e foi às ruas. Primeiro para reclamar do reajuste das tarifas de ônibus, mas tendo como pano de fundo muito mais: transporte, educação, corrupção e os gastos escandalosos da Copa do Mundo. A população enfim acordou de um sonho e, em vez de imaginar a festa, passou a imaginar como seria um país no Padrão Fifa. E agora exige isso.

A Seleção Brasileira foi no caminho inverso. A apatia da torcida antes de a bola rolar deu lugar à esperança de que o time de Felipão pode ficar realmente bom. Do início tranquilo contra o Japão, passando pelo jogo burocrático contra o México, pela boa apresentação contra a forte Itália e pela vitória dura contra o Uruguai, a Seleção mostrou evolução e a torcida está percebendo isso. As manifestações das ruas, que colocaram governo e a classe política em geral contra as cordas, chegaram à arquibancada. Só que nos estádios a torcida também gritou a favor da Seleção Brasileira.

Passamos os últimos anos falando que o povo não tem mais identificação com a camisa amarela. Ninguém mais liga para a Seleção, cansamos de dizer. Quando o país acorda, vai às ruas e exige mais do que lhe foi dado nos últimos anos, o time de futebol volta a ser, ainda timidamente, algo que o brasileiro tem orgulho. Na cabeça da torcida brasileira, a Seleção ficou de um lado: Fifa, CBF, governo, políticos e entidades malandras em geral, ficaram de outro.



  • flavio

    Povo bipateta!!

MaisRecentes

Waldir Peres foi um herói improvável



Continue Lendo

A nova moda dos técnicos



Continue Lendo

Trabalhos incompletos favorecem jogo reativo



Continue Lendo