Borussia é um fiapo do futebol romântico



Há oito anos o Borussia Dortmund estava à beira da falência. Devia, por baixo, 170 milhões de euros. Se desfez do estádio de seus principais jogadores e via um futuro no mínimo sombrio pela frente.

A chegada de um novo presidente, Reinhard Rauball, ajudou na virada. Dívidas foram renegociadas, o estádio voltou ao poder do clube, apostas foram pinçadas no mercado em detrimento de astros consagrados… e a parte mais feliz da história você já sabe: uma torcida apaixonada lota a arquibancada em todo jogo; Lewandowski, Hummels, Gotze e etc vão fazendo miséria em campo e o time está na final da Liga dos Campeões.

A chegada do Borussia à decisão do campeonato de clubes mais importante e bilionário do planeta é um fiapo que une o futebol moderno e super-profissional com aquilo que todo mundo tenta achar e não consegue atualmente: uma faísca que aponte um caminho do sucesso que não seja o de ganhar mais dinheiro, contratar os melhores e mais caros jogadores e consequentemente levantar taças em sequência.

Longe de ser uma discussão maniqueísta. Real Madrid, Barcelona e Bayern de Munique, os três outros semifinalistas da Liga dos Campeões, têm torcedores tão apaixonados como aqueles que todo fim de semana lotam o Signal Iduna Park, o estádio do Borussia. Mas também têm muito mais dinheiro e seu sucesso dentro de campo se deve também a isso.

O Borussia, longe de ser um timeco qualquer, faz da paixão de sua torcida um dos ativos importantes para o sucesso. Tanto que parte de sua arquibancada é destinada à população de menor poder aquisitivo. O ingresso para assistir aos jogos do Borussia em Dortmund são os mais baratos entre os quatro semifinalistas.

A cada dia no Brasil temos que nos acostumar com o hiper-profissionalismo no futebol e todas as suas novidades: estádio virou arena, nome de estádio virou naming rights, torcedor virou sócio-torcedor e por aí vai. Nada contra. Se os clubes brasileiros quiserem ser competitivos em tempos de globalização, não há como seguir na idade da pedra. Mas é bom saber que há um clube que faz sucesso, enfrenta gigantes muito mais ricos e não faz do dinheiro sua única arma.

“O futebol não é um produto. É cultura”. Este é o lema dos dirigentes do Borussia Dortmund.



  • O diretor de futebol do Atlético-MG, Eduardo Maluf, negou que o clube mineiro tenha recebido proposta oficial do Borussia Dortmund pelo meia-atacante Bernard, como publicou o jornal alemão Bild, na última semana. O dirigente, porém, não comentou sobre o futuro do atleta, convocado nesta terça-feira por Felipão para a Copa das Confederações.

  • flavio

    Essa experiência só daria certo se o Borussia ganhasse vários títulos intercalados. Esse negócio de ganhar hoje (apesar que não vai ganhar) e depois só daqui ha uns quinze anos, não adianta nada. Vai ter que vender os melhores jogadores para equilibrar a folha de pagamento, ou seja, ingresso barato sozinho não adianta nada.

  • Thiago Rodrigues

    Bom ver alguém falando sobre o Borussia. Afinal, com a queda do Barcelona, tem-se focado muito no Bayern que é, de fato, uma grande equipe, mas que, não custa lembrar, nos últimos dois anos, foi subjugada pela excelente equipe do Borussia. Esse time joga um futebol que dá gosto de ver, com um quarteto ofensivo, dos quais 3 são super jovens e talentosos, sempre muito mortal aliando velocidade e técnica… Basta ver o primeiro gol contra o Málaga, pra ver do que são capazes. Será uma excelente final no dia 25 e, embora eu esteja torcendo pro Dortmund, tenho certeza de seja lá quem ficar com a taça, esta estará em boas mãos. Especialmente depois do ano passado com o limitadíssimo (e feio de se ver)Chelsea. O futebol alemão é o que mais evoluiu nos anos recentes e merece isso.

  • Ótima matéria Tirone, parabéns.
    O Brasil e os times brasileiros ficaram pra tráz, não acompanharam a profissionalização a anos já pratica na Europa, os Diregentes brasileiros não foram capazes de visualizar e acompanhar as mudanças no mundo do futebol, faço algumas ressalvas aos times do Inter, Gremio, São Paulo, e depois de vivenciar a 2° divisão, o Corintians. Infelizmente, no nosso Brasil (o que parece ser mais do que em qualquer outro lugar na mundo) os interesses próprios de muitos dirigentes ofuscam o brilhantismo do futebol brasileiro, levando cada vez mais os times ao declínio. Enfim, o sinal vermelho ascendeu há tempos e somente agora os clubes acordaram, a exemplo do Flamengo, que através da antiga presidencia, ou melhor, Patrícia Amorin, conseguiu iludir a torcida com contratações badaladas, aumentar a dívida do clube e abalar nosso maior ídolo, Zico. Com Diretoria reformulada e pessoas determinadas a trabalhar em prol do Flamengo, podemos ver ordem, administração responsável e credibilidade no clube. Finalizando, temos outra Copa do Mundo no Brasil, 64 anos após termos perdido a de 1950 dentro de casa, com chances enormes de perdermos outra, fruto da incapacidade de planejamento após o término da Copa de 2010 na África.

  • Samuel Albuquerque

    Essa matéria mostra que há luz no fim do túnel, O Borússia Dortmund, tinha uma dívida de 170 milhões de euros. Claro que a realidade desse país, é totalmente diferente da realidade brasileira.Os clubes devem valorizar o seu maior patrimônio ( seus torcedores ) realizando uma gestão profissional e responsável.Assim quem sabe um dia tiramos o pé da lama.

  • SANTÃO

    Espero que os nossos dirigentes amadores copiem coisas boas, isto sim é bom, e não ficarem endividando os clubes, e votando empresidentes de federeções corruptos.
    Estão acabando com nosso maior patrimonio, nossos jovens jogadores vão cedo embora e fazem sucesso no exterior sem sequer ter jogado em agum clube no brasil.
    Acabar com este lei que dá mais direitos aos empresários do futebol do que os clubes que continuam pobres e não sabem explorara sua marca.
    Burrice e corrpção juntas dão nisto , se brincarem , em 2018 não nos classificaremos para o mundial pela primeira vez na história. Será lamentável e triste.
    Temos que começar agora a tomar providencias.

  • Ricardo FLA

    “O glorioso poderia sequir este exemplo fantatisco!!
    botafogo campeao carioca 2013”

    Você não leu direito. O Borussia tem uma torcida apaixonada. “Iiiih, no Maraca eu nunca vi, no Engenhão nunca tá lá, os jogadores todos choram, não tem torcida pra apoiar”….kkkkkkkkkkk

  • Perfeito mais isso não vai acontecer no Brasil enquanto acharmos que futebol é arte. Clubes estão endividados por tentar construir times para dar futebol espetáculo, querem transformar o futebol brasileiro em uma espécie de Cirque du Soleil não rola. Se um clube conseguir ter um time de gênio e malabaristas da bola, conseguir sustenta-los e talvez (veja bem talvez) consiga um time mágico como poucos o foram -Barcelona, Santos de 62, Ajax, Real Madri (que em passado recente montou times fantásticos sem o mesmo sucesso). O que mata hoje o futebol brasileiro é acharem que o passado vai voltar e que só vale times de artistas da bola.
    Sucesso dos gringos? feijão com arroz e muito profissionalismo. Entendem que o sucesso é muito trabalho, seriedade e principalmente resultados. Se não temos jogadores geniais tenho que montar um time com que tenho, dedicado e aplicado se tenho algum gênio deixe-o brilhar como o caso de Messi o que não dá é querer montar times geniais a cada temporada e dar espetáculo com jogador mediano.

  • Luis/ Inglaterra

    É so ver como esta sendo conduzido o Coritiba foot ball club

  • Jeferson

    Tenho dois exemplos. O Santos de 1995 era um time econômico, apostou na juventude, e só não foi campeão porque foi garfado. O Santos de 2002 não tinha dinheiro pra contratar e apostou na base. O Santos de Neymar também não tinha dinheiro no começo. Acontece que tem muito empresário querendo emplacar seus jogadores. Aí mata a base.

  • diogo navajo

    Concerteza esta sendo um exemplo para o Palmeiras , tanto que os proprios dirigentes do alviverde ja declararam que se inspiraram no modelo de administração do
    Borussia.

  • luiz alberto

    “Se desfez?” Favor submeter seus textos a um professor de português, ou recordar as lições da escola.

  • lusia

    e o galo?

    nao devia nada? nao estava em ruinas?

    olhe para o futebol nomundo nao apenas europa e rio/sp

  • Daniel

    “Se desfez do estádio de seus principais jogadores”

    Os principais jogadores tinham um estádio? Deviam ganhar muito bem, daí o time dever tanto…

  • ednei

    você está falando do santos?

  • Andre

    Aqui no Brasil o meu Corinthians esta fazendo isso, teve péssimas administrações num passado recente, teve um parceiro que explorou o clube, sai deixou tudo aos cacos, caímos para a segundona. Voltamos com honra, ganhamos todos títulos possíveis desde então, nossa Arena esta quase pronta. Corinthians e Borussia sao exemplos no atual cenário do futebol.

    Seria a coroação disso tudo se no Marrocos tivéssemos um Corinthians x Borussia no fim do ano!

    É totalmente possível, por que nao?

  • allan

    levandowiski não é do bayer?…..kkkkkk

  • Wolney

    “Glorioso” apostando tudo no único campeonato que sua torcida e diretoria sabe que pode almejar. O jogo do ano domingo agora. O resto? já sabemos o final. Sempre a mesma coisa.

  • NEY RAMOS

    POIS É TIRONI…NÃO PODE SERVIR DE EXEMPLO PARA UM CERTO PALMEIRAS?

  • GRANDE MATÉRIA, HOJE PRECISAMOS DE GRANDE PROFISSIONAIS CAPAZES DE TRABALHAR A PAIXAO DO TORCEDOR, E JUNTO A ISTO FORMAR UMA GRANDE EQUIPE. SOU A FAVOR DA VENDA DOS NOSSOS CLUBES, PARA SE TORNAREM EMPRESAS QUE VAO TRABALHAR O PRODUTO, BOTAFOGO, FLAMENGO, SAO PAULO, PALMEIRAS, ATLETICO MG, CRUZEIRO ENTRE OUTROS. UM BOM TRABALHO VAI TRAZER BONS JOGADORES, DINHEIRO E UM FUTEBOL MAIS MODERNO. HOJE FICO TRISTE DE VER A NOSSA SELEÇÃO É A MAIOR PROVA DO QUANTO ESTAMOS CAINDO PERANTE OS NOSSOS ANTIGO RIVAIS. O BRASIL É UMA SELEÇÃO MEDIA CAPAZ DE ENFRENTAR CHILE, COLOMBIA E NAO É CAPAZ DE ENFRENTAR ALEMANHA, ITALIA, ESPANHA, PORTUGAL ENTRE OUTRAS.

  • O glorioso poderia sequir este exemplo fantatisco!!
    botafogo campeao carioca 2013

  • Parabéns ao futebol alemão, eu adorei ver esses chamados “times” Real Madri, Barcelona e cia cair fora! São apenas comércio f.c.

MaisRecentes

Quando a arte valeu mais do que a vitória



Continue Lendo

Futebol ofensivo: todos querem, poucos praticam



Continue Lendo

Segue a tempestade no São Paulo



Continue Lendo