Futebol sul-americano sofre com o marketing da “valentia”



Desde os anos 60 o futebol sul-americano carrega duas marcas fortes: o talento para se jogar bola e a valentia. (esta no pior sentido da palavra).

Por conta da segunda característica, clubes europeus, por anos, se recusavam a jogar contra os sul-americanos, alegando receio de contusões ou de adentrar  em um terreno do vale-tudo que envolvia doping, intimidação, etc.

Os anos se passaram. Razoavelmente ainda somos vistos como o continente em que nascem talentos (menos do que no passado), mas inteiramente ainda somos vistos como o local onde jogar bola é apenas um entre vários fatores que determinam um time vencedor.

Uma  das questões mais importantes nesta história é que na América do Sul isso é visto como virtude e não como problema.  Involuntariamente ou não, faz-se um marketing que valoriza catimba, medo, violência, pressão, etc… “Faz parte da cultura do Sul-americano”, dizem.

O que aconteceu quarta-feira no Morumbi foi o retrato disso. Argentinos desembarcaram aqui para fazer tudo e, quem sabe, jogar bola para tentar o título. O São Paulo tentou jogar bola mas seus seguranças travaram uma batalha contra os rivais no intervalo. Não espere aqui uma posição sobre quem tem razão. Provavelmente ninguém tem e muito provavelmente a verdade nunca chegará.

Quando a Conmebol não se interessa em descobrir e punir responsáveis, isso indica que o que aconteceu no Morumbi faz parte do pacote “futebol sul-americano”. Faz parte do marketing da “valentia” que se prega aqui há anos.

Muita gente se preocupou com a imagem que o Brasil passou para o mundo às vésperas da Copa depois do episódio do Morumbi. A turma da Conmebol deve ter esfregado as mãos, satisfeita com a mensagem que passou.



MaisRecentes

Existem ‘mentiras’ convenientes, Carille



Continue Lendo

Na forma da convocação, Inglaterra deu show. O Brasil segue careta.



Continue Lendo

A “injustiça” com Buffon



Continue Lendo