Sair de cena foi o melhor para Adriano



Adriano tomou a melhor decisão possível ao anunciar que só voltará em 2013. Se ele fará isso é uma outra história.

O Imperador não tem condição de seguir uma rotina de atleta profissional. Ter compromisso com um clube neste momento só vai trazer uma pressão que ele é incapaz de suportar. Livre de compromissos, ele fará o que quiser da vida. Continuará sendo vigiado, mas não poderá mais ser cobrado. Entre vigilância e cobrança há uma grande diferença.

A partir de agora, Adriano passa de um jogador que está tirando dinheiro e trazendo problemas para todos os clubes por onde passa para o sujeito que torra a grana que ganhou em festas, carrões e baladas.

Sair de cena, porém, é apenas o primeiro passo para Adriano. Não há um laudo médico atestando, mas salvo um enorme engano o jogador tem uma doença grave e traiçoeira porque é sempre confundida com vagabundagem pura e simples.

O que fará no seu período sabático é a questão central. Tratamento médico deveria estar em primeiro lugar na lista de prioridades.



  • Denisvaldo

    Tironi e os demais, fico pensando se o Adriano não tem mãe, tomar as redeas e por alguma coisa na cabeça do filho, isso é o minimo que qualquer mãe deve fazer.

  • jose geraldo

    boa tarde tirone e um grande prazer participa do sue blog moro no ceara em juazeiro do norte o asunto no momento no fotebol e o adriano e mu cara que ta com muinto poblema e presisa de ajuda mais muinta jente nao ta sabendo ajuda se eu tiveser a oportunidade de ele poder entra encontato comigo eu poderia ajudalo com a permiçao de jesus. se ele nao procura ajuda ele vai ter um fim triste se vc poder ajuda ele emtra em contato com migo eu agradesor so quero ajudar pois ele ja nos deu muinta alegria ele e um bom cara so ta perdido no mundo de fantasia obrigado

  • Batista

    Puxa! demorou para o Adriano se convence que não dava mais! Mas segundo o Lance o Wagner Love esta se oferecendo para jogar no Timão é? Ah, eu prefiro Diego Souza ou Alan Kardec!

  • Gustavo

    Não acho que é doença. É vagabundagem mesmo.

  • Rodrigo

    Só pode sair de cena quem entrou em cena.

  • Aline

    Olá, Tironi, eu adoro o seu blog. Também senti sua falta no BB2.
    Quanto ao Adriano posso falar que esta doença é muito cruel, e com certeza, ele só vai perceber quando já tiver perdido tudo, e o dinheiro vai ser o menor dos problemas…final de vida hororroso para um craque. Uma pena.

  • CCross

    É o legítimo caso do favelado que ganhou dinheiro mas nunca foi educado para gastar, os “amigos” e as moças “honestas” são os mais beneficiados. Pobre menino pobre….

  • Darcy Brasil Rodrigues da Silva

    Que me desculpem os erros de pontuação. Deixei, no primeiro parágrafo, uma ideia sobre o que penso de determinados comentaristas sem conclusão. Esta seria ( os comentaristas desautorizados) deveriam ficar calados. Há também um erro vocabular evidente: escrevi “alto estima” onde deveria ter escrito “auto-estima”. Outros erros devem ter sido cometidos. Porém, juro que não foram intencionais.

  • Darcy Brasil Rodrigues da Silva

    Tudo indica que Adriano é, no mínimo, um alcoólatra . De qualquer maneira não seriam os atuais dirigentes do Flamengo que iriam blindá-lo do assédio midiático destrutivo: convenhamos: a mídia desportiva deixou-se contaminar pelo falso moralismo nauseante de sua co-irmã política , a nos pousar de paladina da moralidade dos costumes. Sem uma devida blindagem, Adriano fatalmente seria trucidado pela imprensa. Todas as palavras de desincentivo que se conhece leríamos nesses últimos 3 meses sobre Adriano. Comentaristas absolutamente desautorizados a tocar nesses assuntos, até porque muitos deles ,por terem sido jogadores, sofreram com problemas semelhantes, pelo menos do ponto de vista dos prejuízos econômicos e financeiros alegados: refiro-me particularmente ao Neto, essa besta quadrada que revela não ter nenhum freio na língua para verter barbaridades e preconceitos de todo o tipo. Contra jogadores que se utilizam de penteados rastafari, por exemplo, vi Neto clamar contra o “cabelo ridículo”, revelando ele sim desconhecimento profundo sobre os hábitos culturais entre os africanos em relações aos quais o penteado rastafari representa um sinal de afirmação de africanidade, de negritude. Neto gostaria que todos os homens se utilizassem de cortes de cabelo romano em lugar dos “horríveis e ridículos” (sic) cabelos africanos. Pois bem, a que se deveu , no passado, a peregrinação de Neto por tantos clubes, inclusive o Bangu? Não teriam sido todos esses investimentos pregressos igualmente perdidos em um jogador que não soube ter a disciplina recomendável a um atleta? Não queria estar sendo duro com o ex-jogador corintiano, mas suas críticas moralistas contra Adriano não me permitam deixar de lembrar que “quem tem telhado de vidro não deveria jogar pedras no do vizinho”

    Mas , como disse, nessa diretoria não havia quem pudesse ajudar a Adriano. Fosse para orientá-lo em um tratamento terapêutico adequado aos seus problemas,problemas estes por profissionais da área de saúde devidamente diagnosticados ( os que supus são reconhecidas ilações de minha parte, embora o alcoolismo parece já ter sido assumido pelo próprio Adriano), fosse para blindá-lo de uma mídia reconhecidamente nem sempre comprometida com a dignidade da pessoa humana e, às veze, muito pelo contrário.
    Um religioso pentecostal como Zinho não seria certamente a pessoa mais indicada para ajudar a Adriano. O que se assistiu foi a sequência de atitudes tidas como “chances”, como se de uma benevolência típica ao moralismo puritano se tratasse. Uma doença,desde que tenha cura, necessariamente não tem prazo nem rituais religiosos para ser vencida. Não caberia a Zinho , nem a Patrícia Amorim, nem a ninguém, e muito menos aos jornalistas sem formação e informação na área da saúde, dizer o que se deveria fazer para ajudar ao Adriano se curar. Frases como “dessa vez será a última oportunidade” não podem ser admitidas em um tratamento. Tais expressões, que tendem sempre a culpabilizar os indivíduos por seus atos são convenientes para uma sociedade que gosta de se sentir como se não tivesse responsabilidade por nada que ocorre. Assim , os viciados em crack tendem a serem considerados indivíduos fracos e por isso merecedores da cina que seguem. Essa é uma típica visão darwinista, proto-fascista, prima-irmã do eugenismo de Hitler. Todos nós podemos ficar doentes. E todos os doentes podem ser curados. O Flamengo não deveria jamais ter recebido Adriano como jogador. Primeiro deveria tê-lo acolhido como um ser humano adoentado ,ídolo de todos nós , flamenguistas, que necessitava de ajuda profissional. Para essa atitude , não deve existir nenhum prazo, nenhuma “última oportunidade”. Acolhê-lo como ser humano e não como jogador ainda ( o jogador só deveria ser convocado depois que ser humano estivesse curado) implica em protegê-lo , em aumentar sua alto estima. Adriano poderia ter sido empenhado ,por exemplo, em campanhas que fizessem alusão à sua imagem como ídolo do Flamengo, sem que,para isso, necessitasse se apresentar como jogador na ativa. Visitações agendadas a determinadas instituições,por exemplo, procedem como atividades terapêuticas que promovem o ego debilitado. Campanhas positivas em defesa de alguma bandeira ,poderiam também ter se valido de sua imagem de ídolo para serem veiculadas: seria o caso interessante de um ídolo a ser ajudado por sua própria imagem. Em meio a essas atividades extra-campo devidamente dosadas e monitoradas por profissionais da saúde e à doença de Adriano relacionados, se processaria o tratamento propriamente dito. Se assim tivesse sendo feito, talvez estivéssemos acompanhando a recuperação de um grande artilheiro ( duvido que, com suas características de grande força associada a uma técnica incomum a um atleta com altura para ser goleiro ou jogador de basquete, exista outro jogador no mundo) para , quem sabe,capacitar-se a atuar ainda na Copa do Mundo de 2014.

  • Vinícius

    EU acho engraçado o seguinte, sempre dizem pra recuperar o ser humano.

    E o monte de brasileiros envolvidos com drogas lícitas e ilícitas que vemos por ai. EU acho engraçado o seguinte, sempre dizem pra recuperar o ser humano.

    E o monte de brasileiros envolvidos com drogas lícitas e ilícitas que vemos por ai. Vamos recuperar também? O cara ganha 11 milhões em 1 ano e meio e precisa de recuperação?

    Acho que quem precisa de recuperação são os clubes que apostaram nesse projeto de ser humano.

    Sem Mais!

  • silvio rente

    Concordo com Urubu, burrice não têm tratamento, mais parar de andar com desocupados chupa sangue que é o que são esses “amigos” que ele pensa que são seria uma das soluções.
    Pobre garoto rico, neste ritmo nem isso ele será mais.

  • Urubu

    Concordo que ele precisa de um tratamento mesmo! Só não sei se tem tratamento para burrice.
    SRN

MaisRecentes

Dérbi não vale. Mas vale!



Continue Lendo

Agora vai?



Continue Lendo

Corrida de técnicos



Continue Lendo