Ainda somos bons dentro de campo e muito ruins fora



Sexta-feira (19 de outubro), Aaron Cawley invadiu um campo de futebol, agrediu o goleiro do time adversário ao seu e voltou para a arquibancada, rindo e comemorando com seus amigos. Segunda-feira (22 de outubro) foi anunciada sua sentença: quatro meses de prisão. Entre a infração e a pena se passaram três dias. Três dias! O jogo foi válido pela Segunda Divisão da Inglaterra.

Em 25 de agosto, Christian dos Santos Madruga e mais um bando de torcedores do Fluminense espancaram dois vascaínos em uma estação de trem perto do Engenhão. De toda a turma, 21 foram presos. 18 já foram soltos, sob alegações como ficha limpa, por exemplo. Madruga (considerado pela polícia como o chefe do bando) e outros dois permanecem presos em Bangu, por já terem antecedentes criminais. O data do julgamento e, portanto a sentença, ainda não foram decididas. Até o momento se passaram pouco menos de dois meses.

Em que pese o fato de termos um caso mais simples e outro mais complexo, espanta saber que no primeiro o assunto já está resolvido e que o segundo está apenas no começo.

Sábado, Tottenham e Chelsea se enfrentaram pela Premier League. Jogão de bola, cheio de alternativas e placar de 4 a 2 para o Chelsea. O árbitro Mike Dean apitou 15 faltas.
No dia seguinte, no momento mais espetacular do Campeonato Brasileiro até aqui, Atlético Mineiro e Fluminense se enfrentaram no estádio Independência. O placar você já sabe, mas talvez não saiba o número de faltas apitadas: 29 pelo árbitro Jailson Macedo de Freitas. Este jogo terminou e o torcedor que ama futebol comemorou o fato de a arbitragem não ter conseguido ser protagonista (apesar do lance polêmico da falta na barreira) e pelo fato de a bola ter rolado muito. Dá para entender, afinal no dia anterior Paulo Henrique Godói Bezerra parou com falta o jogo Grêmio x Coritiba inacreditáveis 47 vezes.

Outro dia, Barcelona x Real Madrid se enfrentaram no Camp Nou em um momento político importante na Espanha. Na arquibancada, um enorme mosaico apareceu com as cores da bandeira da Catalunha. Era uma manifestação escancarada dos catalães pela independência da região. Domingo, um mosaico em protesto contra a CBF surgiu na arquibancada do Independência. O STJD entrou em ação e vai analisar o caso. O Galo pode ser punido. Dias atrás, um jogo nos Aflitos não começou enquanto uma faixa escrito “Não vão nos derrubar no apito” não fosse tirada da arquibancada.

Jogos como Atlético Mineiro x Fluminense nos dão uma alegria que parecia escondida ao nos mostrar que ainda somos bons demais dentro de campo. O problema é que ainda somos muito ruins em tudo o que cerca o jogo.



MaisRecentes

Seleção enfrenta seu primeiro tremor



Continue Lendo

Segue o líder



Continue Lendo

O intervalo que mudou tudo



Continue Lendo