Era o Iraque, mas…



Sim, era o Iraque. Mesmo com a inspiração de um Zico, mas era só o Iraque. Então, não dá muito para avaliar a FORÇA da Seleção. Mas dá pra avaliar CONCEITOS que estão sendo testados. E estes, são interessantes.

O time que entrou em campo hoje com Kaká, Oscar, Neymar e Hulk, sem um centroavante fixo é diferente do futebol que a maioria pratica no Brasil. Valoriza o toque de bola e, tirando alguns poucos nomes que estão fora, é o que de melhor temos.

Os dois primeiros gols saíram graças à ótima movimentação do quarteto. Nas duas vezes, o falso centroavante do time (Neymar) saiu da área, buscou o jogo e serviu primeiro Oscar e depois Kaká.

Kaká, aliás, voltou bem à Seleção. Eu sei, era o Iraque e isso deve sempre ser lembrado. Mas como papel de líder de um time muito jovem, ele poderá funcionar.

Era o Iraque, era o Iraque, era o Iraque. Isso deve ser repetido como um mantra. Mas conceitualmente, a Seleção que jogou hoje é boa. A dúvida está no seguinte: o conceito terá força para enfrentar adversários mais difíceis? Só dá para saber de uma maneira: enfrentando adversários mais difíceis.



  • Nessa história toda jogam a culpa num tal contrato assinado não se sabe quando, no qual a CBF teria vendido já todos os jogos para uma empresa… Ora, ora. Contratos, tratos, combinados e assemelhados são tem duas alternativas: CUMPRIR OU QUEBRAR O CONTRATO.
    Voltando ao seu comentário… Jogando com esses times nunca vamos estar preparados para a Copa… ops!, tem a Copa das Confederações antes, melhor perder essa que a de 2014.

  • Luiz Marfetán

    Quero ver ganhar e ganhar bem de Alemanha, França, Italia, España, Argentina, aí vamos ter seleção, isso ai e o combinado da globo.

MaisRecentes

Agora vai?



Continue Lendo

Corrida de técnicos



Continue Lendo

Até a Chape sofre com a torcida



Continue Lendo