Barça virou uma foto na parede?



O Barcelona de Guardiola foi o time que mostrou ao mundo o futebol que mais se destacou nos últimos tempos. A valorização da posse de bola, troca frenética de passes, marcação sob pressão e, claro, a genialidade de Messi, foram componentes que transformaram o Barça em objeto de admiração, veneração, estudo e até raiva. (sim, tem gente que achava chata a maneira como aquele time subjugava seus rivais).

Para aqueles que sentiam raiva, a hora da vingança parece ter chegado. O novo Barcelona, de Tito Vilanova, parece ser muito mais convencional do que o de Guardiola. No clássico contra o Real Madrid, determinados tipos de lance que na era Pep eram raríssimos, apareceram varias vezes. Falo de rifadas de bola da defesa, lançamentos longos pelo alto, jogo mais vertical e menos pensado.

Vários motivos podem ser apontados: o primeiro e óbvio é que Guardiola não é Tito Vilanova. Quando assumiu, o novo treinador introduziu seu jeito de armar o time. Além disso, um técnico é muito maior do que o outro. Guardiola tinha um respeito de seus comandados que beirava a veneração (em entrevista à ESPN Brasil, Daniel Alves classifica o treinador como nada menos do que “gênio”). Tito não chega nem perto disso, pelo menos por enquanto.

O equilíbrio que voltou a aparecer em jogos contra o Real também pode ser explicado pelo fato de que José Mourinho está há tempos em Madri e já tem o time na mão e entrosado. E foi aprendendo como parar o maior rival.

Ainda vale destacar o posicionamento diferente de Messi, à frente dos volantes, vindo mais de trás. Ali, ele segue genial, mas menos do que quando atuava mais à frente. (aí, de novo, a mão do novo treinador)

Não é possível cravar, mas ao que parece, o Barcelona encantador das últimas temporadas está virando uma foto na parede. Tem quem vá comemorar. Mas se isso acontecer mesmo, é de se lamentar.



MaisRecentes

Existem ‘mentiras’ convenientes, Carille



Continue Lendo

Na forma da convocação, Inglaterra deu show. O Brasil segue careta.



Continue Lendo

A “injustiça” com Buffon



Continue Lendo