Torcedor ensina a cartola a lógica do mercado



“Tudo está muito caro!” Esta frase tem sido muito falada pela classe média brasileira. Tanto por quem já está nela há um tempo como por quem entrou recentemente, graças ao crescimento da economia. O raciocínio é simples: mais gente com dinheiro, maior o poder de compra. Assim, sempre haverá quem compre, mesmo se os valores forem altos.

Isso vale para vários setores: imóveis, automóveis (lembre-se que os carros brasileiros estão entre os mais caros do mundo), restaurantes, vestuário… mas há um setor em que esta lógica não se aplica: ingressos para futebol. Os cartolas passaram mais da metade do Campeonato Brasileiro acreditando na lógica de que alguém vai pagar. Erraram feio! A prova disso é que o campeonato atual tem a segunda pior média de público da era dos pontos corridos.

No futebol, a lógica é outra: aqui, o torcedor paga apenas o valor que acha justo. Estádios e acesso ruins e espetáculos pobres ajudam a baixar o valor. Com um atraso considerável, cartolas brasileiros perceberam e os clubes passaram a fazer promoções de ingressos. A resposta foi imediata. Alguns exemplos: Botafogo x São Paulo, sem promoção de ingressos, levou ao Engenhão 4.836 pagantes. Botafogo x Náutico, com promoção, levou 14.612, mais do que o dobro. O Santos x Portuguesa no horário das 21 horas, levou 15.744 pagantes ao Pacaembu. O jogo teve promoção de ingressos. Vale lembrar que o Peixe não briga por mais nada no campeonato e que Neymar não estava em campo. O São Paulo tem garantido públicos ao menos razoáveis no Morumbi porque tem garantido uma parte da arquibancada com preços populares.

O crescimento da economia brasileira levou mais gente ao mercado consumidor e isso ainda provoca distorções. Uma delas é achar que tudo o que é caro é bom, quando uma coisa não tem necessariamente relação com a outra. Se em outras áreas o brasileiro ainda não aprendeu isso, no futebol ele já dá aula e simplesmente recusa preços que não valem o espetáculo. Cabe aos dirigentes de clubes aprenderem a lição e trabalharem para trazer seu torcedor de volta ao estádio. O preço do ingresso mais baixo é o primeiro passo. Estádios decentes, seguros e espetáculos atraentes são os próximos. O torcedor é um apaixonado e muitas vezes irracional. Mas nem assim engole qualquer coisa.



  • Vinicius Posterari

    Tirone, faltou ressaltar o público do Timão.

    O corintiano é o que mais paga no país, mas é o que mais vai ao estádio. Isso é burrice? Não, o clube que soube contornar. A questão é:
    1 – Sempre temos um time competitivo em campo, mesmo estando sem muitos objetivos (e detesto isso) no campeonato.
    2 – O Corinthians manda os jogos no Pacaembú, que não é nenhum primor de estádio, mas pelo menos é arrumadinho (a entrada do Tobogã é um absurdo a parte).
    3 – O programa Fiel Torcedor incita os torcedores a comprarem ingresso, afinal, se eu não comprar todos os jogos do Brasileiro, provavelmente não consiga ingressos pra todas as partidas da Libertadores do ano que vem, já que esse ano já foi muito difícil conseguir.

    E a diretoria do Corinthians continua dando aula de gestão pra mulambada. E depois nós corintianos que somos maloqueiros, etc… Com perdão da palavra: Chupa, Antis!!!

  • Vaz

    Embora esteja correto no que diz respeito a qualidade dos jogos, estádios, transporte, alimentação e etc… discordo no que diz respeito ao barateamento, promoções para aumentar a média de público. Aumentar a média através do barateamento e promoções, não muda em nada e significa apenas a mesma arrecadação ou até menor já que em alguns casos os ingressos são até grátis (em troca de alimentos e etc.)
    Acho que dois dos principais problemas e razão de vários outros é a saturação e a falta de bola rolando, é um festival de encenações, cai-cai, agressões, jogadas violentas, faltas, barreiras que levam minutos para se formar, discuções com o juiz e bandeirinhas e por aí vai o que nos leva a metade do jogo não contecer nada, a bola está parada. Compramos ingresso para ver um jogo e assistimos meio. No Brasil as partidas tem em média 40 a 45 minutos de bola rolando enquanto na Europa esta média é de 75 a 80 minutos.
    Outro fato é que poucos conseguem aguentar tantos jogos (nem os atletas que acabam lesionados, poupados e etc…) inclusive pela TV. São dezenas de horas de VT’s ou ao vivo de campeonatos de tudo que é forma e lugar do mundo. Qual o resultado disso? A banalização e nem seleção atrai mais ninguem. É futebol o dia inteiro e o que era para ser um evento torna-se sem importância pois se não fui hoje, no fim de semana tem de novo e na terça, quarta, quinta e novamente no próximo fim de semana e se nada der certo tem VT’s a semana inteira para ver.
    Tanta banalização não leva ao torcedor esperar anciosamente por aquela partida, a juntar a sua grana para aquele jogo importante (basta ver o que acontece na Libertadores e em particular com o Corinthians onde os ingressos foram caríssimos e o estádio não tinha onde colocar mais gente, esgotavam-se em minutos e com 4 ou 5 dias antes do jogo), comprar o ingresso com meses de antecedência pois sabe que no dia não terá como comprar.
    Racionalizar este calendário, disputar apenas 2 campeonatos (brasileiro e Copa do Brasil que seria apenas para aqueles que já foram campeões nacionais, uma espécie de copa das copas), profissionalizar para valer os clubes (hoje temos 4 ou 5 times seguindo um bom caminho o resto continua envolvidos em trapalhadas e desmandos), valorizarmos outros atletas pois estamos valorizando demais alguns poucos jogadores (diria que só o Neymar) mas como diz o ditado popular, uma andorinha não faz verão e diminuir a esposição do produto futebol na TV deixando a coisa mais para emissoras locais que vão valorizar os times locais. O que temos hoje é tratado nacionalmente sem focarmos nos times da “casa”.

  • Luiz Ribeiro

    Tironi, muito bom o post. Sou são-paulino, moro no interior, e por 4 ou 5 vezes ao ano vou ao Morumbi. Acompanhei ao longo dos anos as melhorias feitas no estádio, e ele está cada vez mais bonito, organizado e aconchegante. Nos últimos tempos me acostumei com a área vip. Na primeira vez, convidado por um amigo, achei o valor do ingresso muito alto. Mas lá chegando fiquei fã. Lógico que, como não vou toda semana posso me dar ao luxo de gastar um pouco mais por este conforto. Ou seja, pela qualidade das acomodações, e pela razoável qualidade do time Tricolor, não considero o valor caro, mas justo pelo que nos é oferecido.

  • Luiz Marfetán

    Sé baixarem os preços dos ingressos como é que as federações e a cbf vão sobreviver?

  • David

    Tirone, dentro desta lógica, o que falar a respeito da média de público dos jogos do Corinthians?

    Resposta do blogueiro.

    O Corinthians, hoje, é um ponto fora da curva. Vive fase muito boa dentro de campo e tem um programa de sócio-torcedor muito eficiente. O que ainda não está respondido: será que o sócio-torcedor funcionará tão bem quando o time viver vacas magras? A conferir. Mas atualmente, é um dos mais eficiente programas do Brasil. Muito bom.

  • Caio

    Pois é, Tom, o problema é que os jogos são as 21:50 porque tem NOVELA, e se o jogo for antes prejudica a NOVELA. E mesmo os jogos que nao tem a novela antes, tem o interesse da TV em por o jogo no horario que ela quiser. Pois é, triste realidade.

  • Tom

    Parte 2.

    Concordo com Joao Viana: horarios dos jogos sao ridiculos. 21:50 na quarta??? No Brasil ninguem trabalha na quinta de manha? Sair do estadio a meia noite e chegar em casa que horas? Idiotice…

  • Tom

    Quem quer assistir o jogo sem jogadores poupados (po causa da Copa do Brasil ou Copa Libertadores) e pagar como se fosse um classico com times completos?

    Brasileirao tem muitos times como Atletico GO, Figueirense, Sport, Bahia, Portuguesa, Nautico, Coritiba, Ponte Preta que sao da segunda divisao. Eles baixam a media… Atlético-GO x Lusa: 891 pessoas no estadio. Uma vergonha. Em nenhum lugar do mundo acontece isso.

  • resumindo…
    é muito caro ir a estadios hj em dia!

  • joao viana

    é a realidade…ingressos muito caros pra ver times ruins, arbitragens escandalosas, falta de seguranca, dificuldade de acesso…etc…pelo mesmo preço do ingresso eu fico num barzinho da moda, bebendo e comendo com os amigos e ainda olhando as gatas!
    as vezes até arrumamos alguem, no estadio não tem chance disso acontecer…e pertinho de casa…vou a pé!
    jogos a noite, ou são muito tarde (21:30hr ) e fica dificil por causa do trabalho no dia seguinte ou são muito cedo ( 19 hr) e o transito é complicadissimo!
    aqui no RJ quando o maracana estava aberto era mais facil, pela localidade dele etc…, o engenhão é longe de tudo e de todos!
    e não tem cerveja nos estadios…vou fazer o que lá???
    fico em casa quentinho, bebendo a minha gelada com toda segurança…

MaisRecentes

E se der tudo errado?



Continue Lendo

Muita calma com Rueda



Continue Lendo

Muitos jogadores, nenhuma ideia



Continue Lendo