O Bahia desrespeitado. De novo.



“Tite é o novo técnico do Palmeiras!”. Qual seria a reação do mundo do futebol se isso acontecesse de verdade? Eu não tenho dúvida: “Falta de ética!”, “Desrespeito”, “Roubo”, “Sacanagem”… daí pra baixo.

Pois o Palmeiras oficialmente tentou tirar Jorginho do Bahia na maior naturalidade. Como se tirar o técnico do clube do Nordeste não fosse tão desprespeitoso quando tirar Tite do Corinthians, Cuca do Atlético Mineiro ou Abel do Fluminense.

Outro dia mesmo o Bahia foi vítima do mesmo ataque. O Flamengo demitou Luxemburgo e, sem nenhuma cerimônia, pinçou Joel Santana do Tricolor. Isso pouco tempo depois de a diretoria Rubro-Negra esbravejar pelo fato de o Fluminense ter atravessado uma negociação e levado Thiago Neves para as Laranjeiras.

Técnicos, claro, têm parte de culpa nisso. Abrem mão de seus empregos pensando em cargos de maior vivibilidade ou projeção. Mas claro que relutam em fazer isso se já estiverem empregados em algum clube grande do sudeste ou do sul, por exemplo. Ou você imagina Ney Franco dando adeus hoje ao São Paulo e indo para o Santos? Ou Abel saindo do Flu para assumir o Vasco?

Defensores do “profissionalismo” vão dizer que é regra de mercado, pagou tem de ir, cada um pode escolher onde quer trabalhar, etc, etc… Este discurso, entretanto, não vale no futebol. Porque quando é conveniente apelamos para o amor à camisa, afinidade ou simpatia pelo clube.

Fato é que os clubes e a torcida do sul e sudeste enxergam clubes do Nordeste por cima. Acham que o Bahia é só “aquele clube da Série B”. Mas não é.



MaisRecentes

Bem-vindo à Seleção, Tite!



Continue Lendo

Evolução



Continue Lendo

Vai começar uma nova Copa



Continue Lendo