Fracassos olímpicos



Um nadador tem como melhor marca um tempo apenas 19 centésimos abaixo do recorde mundial. Além disso, é campeão do mundo e chega com enorme expectativa à olimpíada. Acaba apenas com a medalha de prata. Um país que formou o maior praticante de determinada modalidade em todos os tempos além de outros grandes campeões termina sem nenhuma medalha sua participação olímpica no masculino. Um país inventor de uma modalidade e que historicamente domina o cenário acaba os jogos sem nenhum ouro do time masculino, o que não acontecia há 24 anos.

Esses três fracassos olímpicos têm algo em comum: não são fracassos brasileiros. E repercutiram fortemente nos seus respectivos países. O nadador é o australiano James Magnussen. O país que formou o maior campeão de todos os tempos em uma modalidade (boxe) são os Estados Unidos e o campeão é nada menos do que Muhammad Ali. E o país inventor de modalidade que fracasou em Londres é o Japão, que terminou com zero ouros sua participação masculina no judô.

Na Austrália, há em curso uma investigação para entender o fracasso do país nas piscinas. Nos Estados Unidos se discute o fiasco no boxe. E o desempenho ruim do judô ganhou ares de vergonha nacional no Japão.

Se o sucesso olímpico é privilégio para poucos o fracasso é democrático. Todas os países que estiveram em Londres sentiram este gosto amargo em algum momento das duas semanas de disputa. E não falo de participar e perder, mas de chegar como favorito ou com muita tradição e não levar.

Quando Fabiana Murer não salta por causa do vento ou Diego Hipolito cai no tablado, é fácil culpar um suposto amarelismo de nossos atletas. Ou, por outro lado, lembrar que ser atleta no Brasil é um ato de heróismo pela falta de recursos. Assim, ele está absolvido do fracasso.

A diferença é que para cada fracasso norte-americano há sucesso em dobro, triplo, quádruplo em outra modalidade. Por aqui, cada medalhinha perdida é sofrida demais, mesmo com as metas nanicas que o COB se impõe. Porque nossas chances são quase únicas. Haja pressão…



MaisRecentes

A “injustiça” com Buffon



Continue Lendo

Chega de falar de arbitragem!



Continue Lendo

O juiz errou. E os outros?



Continue Lendo