Armações olímpicas



Jogar para perder para ter vantagem futura no decorrer de um torneio é válido? O que não deveria nem entrar em discussão de tão imoral, aconteceu em Londres. Sul-coreanas, indonésias e chinesas foram eliminadas do torneio olímpico de badmington por claramente jogar para perder. Sacaram na rede, não foram em bolas fáceis, etc. A derrota traria benefícios no encadeamento da chaves no decorrer da competição.

Segunda-feira, Espanha e Brasil se enfrentaram pelo torneio masculino de basquete. Ninguém jogou escancaradamente para perder. Mas ficou claro que as marcações defensivas foram frouxas. Nenê nem entrou em quadra, com dores no pé (entraria se o jogo fosse decisivo, alguém duvida?). O derrotado da partida, em tese, só pegaria o bicho-papão Estados Unidos numa possível disputa pelo ouro. No final o Brasil venceu. Dizer que a Espanha -segunda colocada no ranking da Fiba e atual vice-campeã olímpica- entregou é menosprezar a vitória brasileira. Mas a marcação por zona espanhola até o fim mesmo com a desvantagem no placar não é normal. O Brasil fez 31 pontos só no último quarto, algo que não tinha conseguido fazer em nenhum outro jogo até aqui.

Parênteses: não, o Brasil não é o honesto coitadinho nas entregadas em disputas esportivas. Lembremos do vôlei masculino no Mundial masculino de 2010, que perdeu de propósito para a Bulgária.

Mudanças de regulamento seria o antídoto para marmeladas, como os exames antiping são contra a trapaça de atletas espertalhões. Fato é que por mais que a gente acredite na chama pura da pira olímpica ou na pureza e honestidade das disputas, o ser humano sempre aparece para mostrar que nosso cotidiano é bem diferente do que se deseja que seja nas pistas, piscinas, campos, quadras, etc… A olimpíada até tenta nos mostrar um universo de embates saudáveis, mas estão aí o doping e as entregadas para que a gente acorde e perceba que as duas semanas olímpicas são apenas uma tentativa frustrada de um mundo de fantasia.



  • Jeferson Rosa

    Fácil resolver isso! Basta fazer um sorteio com um único impedimento: os times não podem enfretar nas oitavas um time que já tenha enfrentado na fase classificatória.

  • Tic

    Para uns, é estratégia. Para outros, falta de ética.

  • antonio minhoto

    A grande armação nessas olimpiadas são alguns atletas que conseguiram convencer a todos que nos representariam com dignidade e isso não aconteceu. Perder faz parte não do esporte, mas da vida. Já falta de comprometimento, amor à camisa e responsabilidade é uma outra coisa. Não consigo entender como um atleta pode simplesmente desistir, como fez a Fabiana Murer. Absurdo total. E ela é patrocinada REGIAMENTE pela CEF, um banco publico. Se eu fosse a CEF rescindia o contrato ainda no aeroporto, logo que ela retornasse. O Diego Hypolito disse que amarelou. Francamente…o cara só faz isso na vida, é atleta profissional. Lamentável. Precisamos acabar com essa conversa de passar a mão na cabeça dos atletas. É preciso reconhecer os que dão tudo (e tem vários) e aqueles que só foram para lá para fazer turismo e comer no refeitorio da vila olimpica.

  • a espanha foi mais esperta , jogou com o regulamento na mao

  • Roberval Taylor

    Devo lembrar que o vôlei masculino fez isso duas vezes e não uma.

    Na Olimpíada de Athenas 2004 Bernardinho foi mais discreto mas colocou o time todo reserva para perder para os EUA na fase de classificação e conseguiu. O Brasil pegou a Polônia e os EUA que na época estavam em baixa. Deu certo fomos campeões olímpicos.

MaisRecentes

Futebol ofensivo: todos querem, poucos praticam



Continue Lendo

Segue a tempestade no São Paulo



Continue Lendo

Lições do Brasileirão



Continue Lendo