Jogo coletivo do Brasil está acabando



“Quanto mais longe do seu gol, mais perto do gol adversário.”

“Hoje, o futebol brasileiro só se destaca nas individualidades.”

“O técnico me falou: quanto menos vc tiver a bola, mais vai ajudar o time.”

“O Santos não tem um grande time, mas tem grandes individualidades.”

“Messi participa do jogo coletivo.”

“O futebol coletivo ajudaria o Neymar”

Todas as frases acima foram ditas por um jogador: Daniel Alves, em entrevista na ESPN terça-feira. Reparando bem, todas, de um jeito ou de outro, tocam no tema “jogo coletivo.”

O lateral do Barcelona e da Seleção Brasileira tem obsessão pelo tema. Muito lúcido quando fala de futebol (sua última frase na TV foi: “Eu gosto de falar de futebol”), parece ter absorvido muito do que Pep Guardiola ensinou. Ele considera o treinador catalão “um gênio.”

Impressiona a nós quando um jogador demonstra esta noção tática coletiva. Muito porque no Brasil se exige pouco de jogadores neste sentido, tanto nos clubes quanto em entrevistas.

De tudo, o mais preocupante é ouvir que hoje o futebol brasileiro se destaca apenas pelas individualidades. A cada conversa com quem joga no exterior ou a cada jogo da Eurocopa visto fica mais clara a impressão do nosso atraso tático.

Quando Daniel Alves diz que o jogo coletivo ajudaria Neymar, isso parece óbvio, mas por aqui ainda não é. Como diz o lateral da Seleção: “No futebol, o fácil está cada vez mais difícil”.



  • o mundo no vai acabar so acaba para quem morre tah!

  • Fabio

    O Scolari e’ um técnico de futebol que rege o futebol coletivo nas equipes que treina. Estranho o Tirone aqui mao reconhecer isto, pois e’ a maior característica deste treinador…

  • Rodrigo

    É da nossa cultura futebolística pensar assim. Ninguém percebe, por exemplo, que fazer mais gols que o oponente é o mesmo que sofrer menos gols que o oponente. Se ganha de 5×4 é porque ‘joga bonito’, se ganha de 1×0 é ‘retranqueiro’.

  • Marcelo Nogueira

    Talvez um dos “problemas” que acarretam o não conhecimento do jogador brasileiro no quesito coletividade e noção tática, esteja na falta de profissionalismo, ou falta de pessoas qualificadas nas divisões de base do clubes nacional. Na base os jogadores mal aprendem a tocar uma bola, a chutar, dar passes longos, a dominar uma bola (hoje os jogadores tem medo de domina-la, eles deixam a bola “pingar” pra depois pega-la), não são treinados realmente, a unica coisa que aprendem é a vestir o uniforme, entrar em campo e disputar corrida com a bola. É triste demais este descaso com os jogadores em formação. Falando dos times profissionais, o Corinthians realmente joga de uma forma exemplar, no quesito coletividade, marca o adversario fortemente e tem saídas muito rápidas para o ataque, conseguindo dar o ritmo que lhe convém ao jogo.

  • o corinthians se concentra em compra de arbitros e negociatas com a cbf para convocaçoes estranhas de jogadores importantes de adversarios diretos
    fora que durante os jogos do corinthians os atacantes como o willian e o jorge henrique fazem faltas como loucos mas sao pouco advertidos ou nao sao advertidos pelos arbitros.
    os atacantes do corinthians fazem todas as faltas do jogo e nao levam cartoes,matam as jogadas e pouco sao advertidos
    em jogo do corinthians os juizes parecem cegos mas só´para o lado das faltas que o corinthians comete…..por ser atacantes que as cometem……mas os arbitros deveriam saber que atacante faz parte do todo e merecem cartoes tambem
    o corinthians inverteu e os atacantes marcam e fazem as faltas e os volantes e meias fazem os gols..neste ponto parabens ao tite que conseguiu ludibriar um pouco os juizes ou nao pois o luiz fabiano tambem faz faltas mas é´punido direto com cartoes …caso que nao acontece no corinthians

  • Roger

    ” o treinador é que é o culpado de tudo na eliminação.”. Mas é, o jogador fez isso por que o treinador não faz treino tático, não cobra que ele passe a bola, por que não havia jogada treinada pra fazer. O Leão nunca foi um treinador de dar padrão tático pras equipes, é um motivador, cobra com veemência mas não organiza o time.

  • Kid Banana

    Voce é parente do presidente do Palmeiras? Mesmo sobrenome e rosto parecido!

  • ROGERIO

    Olá Tirone, concordo plenamente, porém, creio que o Corinthians esta se espelhando nesta forma tática de jogar futebol e pelo o que os resultados mostram, esta dando muito certo.
    Grande abraço.

  • Adalberto Franco

    Tironi, no Brasil, quando um time ganha um titúlo todos exaltam esse ou aquele jogador o coletivo fica sempre para um segundo plano, no Santos, é Neymar e Ganso, o peso vai todo para as costas deles se ganham são heróis se perdem descem a lenha neles, assim é no São Paulo, Palmeiras, Corinthians e etc… Quando ganham elegem um eleito e quando perdem crucificam o time todo, só na derrota existe o coletivo.

  • Otávio

    Taí o Corinthians tendo essa noção coletiva de jogo, sem nenhum destaque individual que encha os olhos do torcedor ou da mídia. Sou vascaíno e tenho que admitir que o Vasco ainda não alcançou esse padrão de jogo coletivo eficiente. Quanto à seleção, temo pelo nosso futuro na Copa de 2014, se de fato não evoluirmos como conjunto. O nosso projeto de craque mundial Neymar realmente seria beneficiado por um padrão coletivo. Senão, vai continuar ganhando somente o prêmio Fifa de gol mais bonito do ano, justamente por sua individualidade.

  • JC Penna

    Perfeito, Arnaldo Tirone. Eu vi a entrevista e gostei bastante. Parabens pelo blog!

  • Renato Santos

    Lendo essa materia podemos dizer que o unico clube do Brasil que pratica o futebol coletivo é o Corinthians assim como Neymar disse o ” O Corinthians parece time europeu” dizendo da forma de jogar do clube, ou seja, se o Corinthians tivesse um jogador como Neymar seria ainda mais objetivo.

  • Gaspar

    O corinthians joga de forma coletiva, e sem individualidades… O que falta ao Brasil é conseguir implantar isso em jogadores badalados. Entretanto nossa cultura cultua o individualismo. Desta forma, cada vez mais jogadores que mais se preocupam em fazer uma jogada de efeito do que manter um senso tático que contribui para o time. Desta forma, em nossos clubes, os jogadores se destacam (pois poucos times realmente possuem uma estrutura de organização em campo), mas quando a seleção brasileira enfrenta outras grandes seleçòes que além do individual, possuem o coletivo, acaba sendo derrotada. O Neymar é um grande jogador, mas é impressionante o quanto se protege o mesmo. Faz alguns bons jogos que o cara realmente não faz diferença (ultima vez que me lembro foi contra o Inter na libertadores e são paulo no paulista), e mesmo assim se procura desculpas para quando o mesmo não joga bem. Ou é problemas físicos, ou muitos comerciais… fazemos com nossos jogadores a mesma coisa que uma mãe coruja faz com seu filho mimado, mas que depois, quando conhece o mundo fora das asas maternas, acaba sofrendo.

  • Giuliano SPFC

    Essa matéria veio a calhar, na eliminação do SPFC na quarta o lucas abaixou a cabeça saiu correndo passou por dois ou três chutou pra fora e não passou pro L. Fabiano sozinho, na frente do gol quando ainda estava 0x0, é o tipo de lance que não aparece muito, mas pode decidir um jogo, no segundo tempo mesma jogada e chute pra defesa do goleiro, e depois o treinador é que é o culpado de tudo na eliminação. Acho que a mídia fomenta um pouco os caras, hoje qualquer um que dá uma pedalada, tem um topete vistoso, uma chuteira colorida, pronto é um craque, depois o cara se acha e quer decidir o jogo sozinho para aparecer na TV, no jornal.

MaisRecentes

Esqueça o fair play



Continue Lendo

Corinthians já tem o diagnóstico, mas ainda não encontrou a cura



Continue Lendo

Brasileiro agora será disputa psicológica



Continue Lendo