Adriano é aposta na Mega-Sena



A Mega-Sena acumula e vai sortear uma fortuna. O pessoal no escritório começa a se organizar para um bolão. Fica combinado que cada um terá de desembolsar um valor razoável para o jogo cobrir o maior número de apostas e as chances aumentarem.

Você fica meio de lado com a certeza de que se entrar vai gastar uma grana à toa porque a chance de acertar é muito pequena. Mas na hora que o organizador passa pela sua mesa e diz: “E aí, vamos ficar ricos?” você não resiste: abre a carteira, contribui com aquele dinheiro que definitivamente não está sobrando e respira aliviado por ter feito sua parte. Agora, meu amigo, a bola está com a sorte.

Mal comparando, este é o raciocínio de quem ainda pensa em contratar Adriano. O Imperador é uma aposta de risco altíssimo, mas na mesma medida é uma aposta tentadora: vai que dá certo!

Desde que foi embora do Flamengo, involuntariamente Adriano passou todo o tempo anunciando: “Não apostem em mim”. Foi um dos maiores fiascos da História do futebol italiano passando pela Roma, apareceu em uma única partida pelo Corinthians depois de um ano, com o gol da vitória contra o Atletico Mineiro no Brasileiro.

Sim, eu sei: tem gente que acha que este brilhareco solitário valeu a baba que o Corinthians gastou com ele, algo com o que não concordo.

Por outro lado, ninguém duvida do que o Imperador é capaz. Em 2009, como um bilhete premiado, ele foi decisivo para a arrancada e a conquista do título brasileiro do Fla, mesmo abusando das baladas e confusões fora de campo.

Adriano é uma buzina no ouvido dos cartolas do Flamengo, como o sujeito que organiza o bolão da firma e passa por você com a mão cheia de dinheiro das apostas e aquela cara de “semana que vem estarei nas Ilhas Maldivas curtindo minha vida de milionário”.

Você sabe que só um milagre pode fazer isso virar verdade. Mas acredita, gasta seu suado dinheirinho e sonha. Até ver as bolinhas caírem do globo, nenhuma com os números que você escolheu. A única diferença é que o cartola gasta um dinheiro que não é dele.



MaisRecentes

A “injustiça” com Buffon



Continue Lendo

Chega de falar de arbitragem!



Continue Lendo

O juiz errou. E os outros?



Continue Lendo